Categorias
6ª aula: Navegações grande conversa shakespeare tempestade

A tempestade, de Shakespeare

A Tempestade (nem tragédia, nem comédia, mas um “romance”, termo vago que caracteriza as últimas peças de Shakespeare) é uma obra onírica e indistinta, esfumaçada e sonolenta, de enredo solto e elíptico, onde ninguém morre nem se machuca.

Categorias
7a aula: Reforma grande conversa paraíso perdido

Paraíso Perdido: o que é, como ler

Paraíso Perdido é a história de uma revolta: Satã se levanta contra a tirania de Deus, tenta derrubá-lo, perde e é lançado aos abismos do inferno, depois de cair por nove dias e nove noites. Ainda revoltado, decide arruinar a Criação e oferece o fruto proibido a Eva.

O poema, que começa com a queda de Satã do Céu e termina com a Queda de toda a humanidade, no momento em que Adão e Eva são expulsos do Éden, poderia ser uma simples história carola, um fanfic da Bíblia, se não fosse contada pelo mais radical dos poetas.

Categorias
10ª aula: Burgueses grande conversa leituras

Como consumir arte narrativa

Cada obra de arte só pode ser julgada e fruida em relação a si mesma, suas premissas, seus objetivos.

Categorias
6ª aula: Navegações grande conversa peregrinação

Peregrinação, de Fernão Mendes Pinto

Fernão Mendes Pinto passou vinte anos peregrinando pela Ásia em meados do século XVI, no auge do poder marítimo português. Enquanto quase todos os outros autores escreveram sobre o lado oficial da conquista, ele deixou testemunho sobre a ralé que ia nos porões dos navios. Foi o primeiro ocidental a ver, registrar, testemunhar incontáveis países, povos, culturas, cerimônias asiáticas. Quase morreu várias vezes. Se salvava sempre por sua lábia e por suas mentiras, nunca pela força ou por proezas militares. É o nosso maior pícaro, precursor de Pedro Malasartes, malandro da gema.

Fernão mentia? Mentia. Mas que diferença faz? O importante é que tinha uma mensagem a comunicar e, como todo grande artista literário, comunicou essa mensagem através de palavras, diálogos, episódios que misturam realidade e ficção.

Categorias
6ª aula: Navegações grande conversa

Grandes Navegações: brevíssima história

Impedidos de comerciar com o Oriente pelo Mediterrâneo e buscando novos caminhos pelo Atlântico, os europeus começam o caminho que os levará a fundar “novas Europa fora da Europa”, ou seja, a ampliar de maneira global o conceito de Ocidente.

Categorias
6ª aula: Navegações grande conversa

História do conceito de Renascimento

Trabalhamos e pensamos conceitos como Idade Média ou Renascimento, como se fossem muito antigos, como se as próprias pessoas vivendo essas épocas fossem reconhecê-los… mas, na verdade, são surpreendentemente recentes.

Categorias
6ª aula: Navegações grande conversa

A descoberta da Humanidade

A revolução que dá origem às mudanças mentais e culturais que chamamos de Renascimento foi a descoberta da humanidade através das grandes navegações.

Categorias
6ª aula: Navegações grande conversa lusíadas

Os Lusíadas, de Camões

Os Lusíadas é um poema de batalhas medievais e tempestades em alto-mar, de deuses pagãos e de cruzadas cristãs, uma etnografia do Oriente e uma celebração do amor físico, entre muitos outros.

Categorias
6ª aula: Navegações gil vicente grande conversa lusíadas textos

Camões e Gil Vicente

Gil Vicente e Camões, além de serem dois dos maiores artistas da língua portuguesa, também representam perfeitamente as estruturas de pensamento em confronto no século XVI.

Categorias
6ª aula: Navegações gil vicente grande conversa

Auto da Sibila Cassandra, de Gil Vicente

Cassandra, a pitonisa amaldiçoada por Apolo para que ninguém acredite nela, é uma das personagens mais interessantes da mitologia. Gil Vicente tem uma peça sobre ela, Auto da Sibila Cassandra, escrita em espanhol em 1511, que já no título começa a misturar a herança clássica (“Cassandra”) com a cultura cristã (“auto”).

A peça é considerada um dos primeiros textos da literatura europeia a apresentar certos temas a partir de uma perspectiva feminina, como perda de liberdade depois do casamento, peso da maternidade, destempero dos maridos, brigas domésticas, etc.

Categorias
6ª aula: Navegações gil vicente grande conversa

Auto da Índia, de Gil Vicente

Em pleno auge “heroico” do expansionismo português, só mesmo um grande artista como Gil Vicente para ridicularizar, diante do Rei e da corte, os homens que iam fazer fama e fortuna nas Índias.

Categorias
6ª aula: Navegações gil vicente grande conversa

Gil Vicente

Artista medieval em atividade na Renascença, ao mesmo tempo reacionário e progressista, criador de uma vasta obra polifônica, Gil Vicente certamente é um dos maiores escritores da língua portuguesa.

O epitáfio de Gil Vicente.
Categorias
grande conversa

Regras de leitura

A maioria das “regras de leitura” só serve para causar ataques de ansiedade e sentimentos de inadequação. A única regra de leitura verdadeira é existencial: toda escolha é uma des-escolha.

Categorias
5ª aula: Idade Média grande conversa

Idade Média, suas línguas e literatura: uma brevíssima história

A Idade Média não foi nem Era das Trevas nem Idade de Ouro, mas um período de grandes contrastes, em que fome e peste se alternaram com prosperidade e paz, no qual o universalismo do papado e do império conviveram com os particularismos senhoriais e com as monarquias em vias de centralização.

Categorias
textos

Curso “Introdução à Grande Conversa” por um terço do valor

Meu curso Introdução à Grande Conversa: um passeio pela história do ocidente através da literatura está na metade.

Quem entrar agora:

  • paga menos de 1/3 do valor total
  • assiste as próximas 5 aulas ao vivo
  • assiste as 5 aulas passadas na gravação
  • participa do nosso maravilhoso grupo de Whatsapp.

Só 40 novas vagas.

Todos os detalhes aqui.

Categorias
5ª aula: Idade Média decameron grande conversa

Decameron, de Boccaccio

Em plena erupção da peste negra, um grupo de dez pessoas foge de Florença e se isola em uma villa rural. Verdadeiras xerazades medievais, elas mantém a morte afastada contando histórias umas para as outras: dez pessoas (sete mulheres), contando dez histórias por dia, durante dez dias. (Daí o título Decameron.)

Nenhuma outra obra da literatura universal acontece sob a sombra de tanta tragédia. Nenhuma outra obra da literatura universal celebra a vida com tanto vigor, com tanta força, com tanta alegria.

Categorias
10ª aula: Burgueses 5ª aula: Idade Média grande conversa

A importância da tradução

Um dos principais temas do curso Introdução à Grande Conversa é tradução. A maioria das pessoas alunas nunca tinha se dado conta da importância de boas traduções.

Por exemplo, o Decameron é uma obra canônica há quase um milênio e já foi traduzida e retraduzida várias vezes para todas as línguas ocidentais. Por que tanto trabalho? Por que retraduzir um livro já traduzir? Por que pagar mais caro para ler uma tradução contemporânea ao invés de simplesmente ler uma tradução antiga, em domínio público, de graça?

Categorias
5ª aula: Idade Média grande conversa

Por que existem tão poucos clássicos medievais?

Algumas pessoas do curso Introdução à Grande Conversa: Um passeio pela história do ocidente através da literatura fizeram diferentes variações de uma mesma dúvida:

“Em se falando de literatura ocidental, se a Idade Média não foi época das trevas… por que a grande literatura sumiu? O que houve com as grandes obras do cânone literário? Por que eram tantas na Antiguidade, tantas a partir do Renascimento, mas, de repente, existe um vazio na Idade Média? Na Alta Idade Media, não tem quase nada, só Beowulf e algumas sagas. Na Baixa, onde já existem algumas, Canção de Rolando, Cantar do meu Cid, Ciclo do Rei Arthur, e depois Divina Comédia, Contos da Cantuária, Decameron, etc, ainda assim não dá pra se comparar à Antiguidade e ao pós-Renascimento em quantidade e qualidade. Por quê?”

Categorias
5ª aula: Idade Média 6ª aula: Navegações grande conversa

Por que existem tantos gênios da literatura no Renascimento?

Não é que essa época teve mais “gênios” do que a média: é que foi nessa época que escolhemos quem seriam nossos grandes autores, a medida do nosso bom escrever. E por que nessa época? Por causa da imprensa.

Categorias
leituras

Dez romances preferidos

Perguntaram a vários escritores. Aqui vão os meus.

Todo grande romance é cósmico: ele parte da especificidade das situações cotidianas e, a partir delas, abraça a totalidade da existência.

Primeiro, cinco romances simplesmente perfeitos:

E outros cinco quase tão perfeitos quanto:

 Quais são os seus?