Categorias
2ª aula: Gregos grande conversa ilíada

Ilíada, de Homero

A Ilíada é um poema em ponto de fuga, cada linha apontando para um final cataclísmico além da obra.

A tensão nunca relaxa, mesmo nos momentos de distensão: os ventos da batalha sopram para cá ou para lá; Aquiles é birrento ou Heitor, razoável; a vantagem oscila de um lado a outro; mas, ainda assim, todas sabemos: no final, inevitável e intransponível, inexorável e intolerável, Tróia será arrasada; os troianos, mortos; as troianas, escravizadas.

Categorias
2ª aula: Gregos grande conversa ilíada

Qual Ilíada ler?

Uma boa tradução pode ser a diferença entre uma leitura empolgante e uma experiência tediosa.

Categorias
2ª aula: Gregos 6ª aula: Navegações grande conversa ilíada lusíadas

Tersites, um criador de caso da Ilíada a Shakespeare

Tersites é tudo que os herois homéricos não são, que ninguém mais é, que até então não existia. Tersites é uma figura que acaba de surgir na história humana: agitador popular e revolucionário marxista, um revoltado e um silenciado, o primeiro anarquista e o primeiro protestante. Um criador de caso que não sabe o seu lugar, um homem do povo que diz que o rei está nu. Um teórico da conspiração, um herói da classe trabalhadora. Tersites é aquilo que somente então se torna concebível.

Categorias
2ª aula: Gregos grande conversa ilíada

Em qual livro Aquiles morreu?: conhecimento e oralidade

Quando uma participante do curso Introdução à Grande Conversa perguntou “de onde veio a expressão calcanhar de Aquiles?“, fiz uma distinção importante: esse mito está registrado em tal livro, mas esse livro não é a fonte do mito; a fonte do mito é a própria mitologia. (O texto completo está aqui.)

Outra pessoa perguntou leu o texto e perguntou:

“Entendi que o livro não é a fonte do mito, mas que a gente conhece o mito por causa do livro, certo?”

Na verdade, não. Essa é precisamente a diferença.

Se esse livro desaparecer, se nunca tivesse existido, provavelmente teríamos a expressão “calcanhar de Aquiles” do mesmo jeito.

Categorias
2ª aula: Gregos grande conversa ilíada orestéia

Mitologia grega

Algumas dicas para entender melhor a Ilíada: comprem um bom dicionário de mitologia, evitem séries.

Categorias
2ª aula: Gregos grande conversa ilíada

Depois da Ilíada

Para quem quer saber o que acontece com Tróia depois da Ilíada, recomendo o segundo canto da Eneida.

Categorias
2ª aula: Gregos bacantes grande conversa ilíada orestéia

Da Ilíada às Bacantes

Na próxima quinta, 23 de julho, às 19h, acontece a segunda aula do meu curso Introdução à Grande Conversa, sobre os Gregos. A narrativa da aula será a seguinte:

Categorias
2ª aula: Gregos grande conversa ilíada

Todas as pessoas da Ilíada

Pergunta de uma das participante do curso Introdução à Grande Conversa:

“Os gregos conheciam mesmo todas essas pessoas citadas na Ilíada?”

Categorias
2ª aula: Gregos grande conversa ilíada

O calcanhar de Aquiles: fontes e evidências

Não é a mitologia que vem da literatura, mas a literatura que vem da mitologia.

Categorias
2ª aula: Gregos grande conversa ilíada

Não dava pra ter banhado Aquiles por inteiro?

Podemos ler literatura como quisermos. Mas sim, existem leituras mais e menos superficiais.

* * *

Na Internet, abundam discussões sobre se Jack cabia ou não na porta onde Rose estava flutuando depois do naufrágio do Titanic. Pessoas fazem gráficos, cálculos, experimentos para provar que, sim, ele de fato caberia na porta. Respondeu James Cameron:

“Jack tinha que morrer. A história só faz sentido com a morte de Jack. Se por acaso caberiam os dois em cima da porta, então foi erro do carpinteiro que deveria ter feito uma porta menor.”

Jack, assim como Aquiles, tinha que morrer. Senão não tinha história. Ser mortal é parte integrante da persona de Aquiles. Se Tétis tivesse conseguido torná-lo imortal, ele seria outra pessoa, a Ilíada seria outro poema, nossa conversa aqui seria outra conversa. Tudo seria diferente.