As Prisões

As prisões são as bolas de ferro mentais e emocionais que arrastamos pela vida: as ideias pré-concebidas, as tradições mal explicadas, os costumes sem-sentido:

(Para os encontros, clique aqui.)

Verdade
Dinheiro
Trabalho
Privilégio
Monogamia
Religião
Patriotismo
Obediência
Sucesso
Felicidade
Autossuficiência
Conhecimento
Eu

* * *

A fonte de todas as prisões é o nosso próprio autocentramento e a única solução é mais atenção e mais cuidado. Por isso, proponho alguns Exercícios de Atenção:

1. Praticar um olhar generoso
2. Dar-se conta das pessoas
3. Ver na sua totalidade
4. Ouvir com atenção plena
5. Cultivar o não-conhecimento
6. Exercer a não-opinião
7. Não ser a constante
8. Colocar-se em outra pessoa
9. Escolher agir com cuidado
10. Visualizar o privilégio

* * *

As Prisões (trechos)

* * *

Prisão Verdade

A Verdade não é um valor inquestionável, mas sim uma ferramenta: útil em algumas ocasiões, inútil em outras.

As verdades que carrego dentro de mim foram ensinadas por pessoas que erravam e mentiam. Quando verbalizo uma dessas verdades, estou canalizando suas opiniões e seus preconceitos.

Por isso, hoje, em vez de tentar aprender novas verdades, busco me livrar das antigas.

Quando encontro uma Verdade em meu cérebro que não sei de onde veio, eu pergunto: “tenho certeza disso?”

(Leia a Prisão Verdade.)

* * *

Prisão Religião

Religião é ideologia, ideologia é religião.

Não é que a religião seja um tipo de ideologia. Não é que a ideologia funcione como se fosse uma religião.

É que religião e ideologia são a mesma coisa: teorias abrangentes que utilizamos para fazer sentido da realidade, sejam elas o cristianismo ou o candomblé, o neoliberalismo ou o marxismo, o método científico ou a psicanálise freudiana.

Todas as pessoas, inclusive eu e você, enxergamos o mundo através de uma ou mais ideologias, e não há nada de errado nisso. (Pelo contrário, é impossível ser a-ideológico.)

É só quando não conseguimos enxergar além das barras de nossa ideologia que ela pode se
tornar uma prisão.

Infelizmente, quase ninguém consegue: a gente não acredita no que quer, mas no que PODE.

Um telescópio pode ser usado para enxergar galáxias a milhares de anos-luz de distância, mas nunca poderá ser usado para enxergar a si mesmo. Toda ideologia/religião dá conta de explicar o universo, mas não dá conta de explicar a si mesma.

(Leia a Prisão Religião.)

* * *

Prisão Monogamia

A monogamia é uma prisão quando não é vista como uma escolha.

Afirmar que a monogamia é uma prisão não é uma crítica às pessoas que escolheram viver relacionamentos monogâmicos.

É uma crítica à monogamia enquanto sistema institucional hegemônico quasecompulsório, vendido por nossa sociedade, pelas religiões, pelas famílias e pelas comédias românticas como a única opção possível e concebível para se relacionar e constituir família, tachando de imorais, doentes e antiéticos todo e qualquer arranjo amoroso-sexual não-monogâmico.

Esse sistema nos convence de uma série de “verdades”. Entre elas, que só se pode amar uma pessoa de cada vez; que se amarmos realmente a-pessoa-que-está-conosco, nunca sentiremos tesão por outra; que as pessoas em um casal precisam suprir todas as necessidades afetivas, sexuais, emocionais, etc, uma da outra.

Mas nem todas as pessoas são assim.

Existem pessoas que, de fato, só amam uma pessoa de cada vez (e elas estão muito felizes em seus relacionamentos monogâmicos) mas também existem muitas que amam mais de uma pessoa de cada vez (e essas estarão mais felizes em relacionamentos nãomonogâmicos).

Quando as pessoas entram em um relacionamento monogâmico não porque escolheram a monogamia entre um sem-número de possíveis arranjos não-monogâmicos que poderiam ter escolhido, mas simplesmente porque nunca se deram conta de que havia opções possíveis fora da monogamia, então, sim, nesses casos a monogamia pode ser uma prisão.

(Leia a Prisão Monogamia.)

* * *

Prisão Trabalho

O trabalho não é, por definição, aprisionante e terrível.

Somos seres construtores, produtivos. Idealmente, o trabalho nos permite dar vazão ao nosso afã criador e, ao mesmo tempo, ganhar o dinheiro que precisamos para viver nossa vida e realizar nossos projetos pessoais.

Muitas vezes, entretanto, o trabalho custa caro: ele suga quase toda nossa energia vital e nos dá somente uns míseros tostões em troca.

Nesses casos, sim, o trabalho é uma prisão.

(Leia a Prisão Trabalho.)

* * *

Prisão Dinheiro

O dinheiro não é o vilão.

Ele nos permite viver, realizar nossos sonhos, e até salva nossa vida quando precisamos.
Ter dinheiro é uma das formas mais concretas de ser livre.

Entretanto, se o colocamos no centro de nosso universo, ele pode sim se tornar uma prisão.

(Leia a Prisão Dinheiro.)

* * *

Prisão Privilégio

Estamos algemadas à Prisão Privilégio quando simplesmente nos recusamos a encarar e reconhecer nossos privilégios, mesmo quando eles estão em nossa cara, gritando e bufando.

Quando pergunto se as pessoas são ricas, elas ou dão respostas abstratas (“sou rico em oportunidades”) ou negam (“olha, eu até ganho bem, mas não me considero rica porque não consigo comprar tudo o que eu quero.”).

Ninguém acha que é rica, ou que é privilegiada, pois isso acarretaria obrigações sociais que queremos evitar, uma autoimagem da qual fugimos.

O privilegiado é sempre um outro.

(Leia a Prisão Privilégio.)

* * *

Prisão Patriotismo

É deliciosa a sensação de irmandade que nos acolhe quando estamos em nossa terra, cercadas de iguais, praticando nossos costumes, ouvindo nossa língua, nosso sotaque.

É reconfortante fazermos parte de um estado-nação que nos reconhece como pessoas cidadãs, que garante nossos direitos humanos fundamentais, que nos fornece um passaporte aceito por outras nações.

Infelizmente, essa nossa sensação de comunidade, que não é menos real, concreta e verdadeira por ter sido imaginada, fabricada, construída, muitas vezes nos leva a odiar ou desprezar as outras pessoas que não nasceram no nosso chão, que tem outros costumes, outras línguas, outros sotaques.

Então, se amamos exaltadamente essas abstrações políticas imaginárias, com seus simbolozinhos e musiquinhas; se nos dispomos a matar e morrer por elas; se engolimos acriticamente o discurso nacionalista-excludente do “ame-o ou deixe-o”, então, sim, o patriotismo pode ser uma prisão.

(Leia a Prisão Patriotismo.)

* * *

Prisão Obediência

Existem muitas ilusões às quais nos apegamos para poder funcionar como pessoas humanas.

Uma das maiores delas é a de que existe algo que possamos fazer para não encherem mais o nosso saco, para a família parar de se meter em nossa vida, para o mundo finalmente ficar satisfeito com nossas escolhas.

Mas não existe.

O mundo é como um namorado ciumento. Se usarmos uma saia mais longa, ele não vai ficar satisfeito com sua namorada obediente e pudica: vai querer mandar no nosso decote.

A obediência, além de ser uma prisão, simplesmente não funciona.

(Leia a Prisão Obediência.)

* * *

Prisão Sucesso

Muitas pessoas buscam fugir da mediocridade e ambicionam o sucesso.

Mas… fugir de qual mediocridade? Ambicionar qual sucesso?

Quando nossa definição de mediocridade é externa, quando nossos critérios de sucesso não foram escolhidos por nós, então até mesmo ser bem sucedida pode ser uma prisão.

Talvez as pessoas mais bem-sucedidas sejam justamente as mais medíocres.

Talvez a resposta seja transcender essa dicotomia cartesiana entre sucesso e mediocridade.

(Leia a Prisão Sucesso.)

* * *

Prisão Felicidade

Nossa própria felicidade individual é vendida de forma quase unânime por nossos pais, por nossa cultura, por nossa publicidade, até por grande parte de nossas filosofias e religiões, como sendo o mais importante objetivo último da vida de qualquer pessoa.

Por isso, para muitas de nós, é extremamente difícil perceber que essa felicidade compulsória pode ser uma prisão, e ainda mais difícil conceber que podem existir outros objetivos de vida igualmente válidos.

Uma amiga explicou que, para ela, sua felicidade individual era o critério que utilizava para saber se uma coisa era boa ou não. Por exemplo:

“Ajudo ou não a minha amiga? Qual é a opção que me fará uma pessoa mais feliz? Acho que serei mais feliz se ajudá-la, logo ajudá-la é bom.”

Do ponto de vista de minha amiga, se excluísse a felicidade como fim último, não teria como saber se uma ação possível a se tomar era boa ou não, ou se as consequências dessa ação eram desejáveis ou não.

A Prisão Felicidade é justamente isso: não é escolhermos a felicidade como o objetivo último de nossas vidas (afinal, todas temos o direito de vivermos em função do que quisermos) mas sim não conseguimos enxergar nenhum outro objetivo último possível para nossas vidas que não seja a nossa própria felicidade individual.

Se não existe opção à felicidade, então a felicidade, automaticamente, por definição, é uma prisão.

(Leia a Prisão Felicidade.)

* * *

Os Exercícios de Atenção

Poucos conselhos são mais canalhas do que “seja você mesma”. A maioria dos problemas do mundo veio de pessoas que estavam simplesmente “sendo elas mesmas”.

Mais importante do que sermos nós mesmas é sermos quem queremos ser.

Todas as forças do universo nos impelem a nos conformar, a aceitar as regras do mundo, a ceder, nos moldar. Ser a pessoa que queremos ser é uma das tarefas mais difíceis do mundo. É uma luta diária, surda, interna, contra nossos próprios preconceitos, nossas mesquinharias, nossos egoísmos.

Ser quem queremos ser é o mínimo que devemos a nós mesmas. Se não somos nem isso, então não somos nada.

Decidir ser uma pessoa mais empática, entretanto, é fácil.

Ser de fato uma pessoa mais empática, todos os dias, sistematicamente, é muito mais difícil.

Daí os exercícios de empatia. Afinal, já exercitamos tanta coisa, da memória ao abdômen, por que não a empatia?

(Leia os Exercícios de Atenção.)

* * *

Para vir aos encontros “As Prisões”, clique aqui.

§ 212 respostas para As Prisões

  • Giovanna Ribeiro Chaves disse:

    Conheci “As Prisões” há pouco. Há cerca de uns 6 meses, vi alguma publicação do Alex compartilhada por um contato em comum. Imediatamente, liguei meu lado “stalker” e zerei a linha do tempo do rapaz. Os textos, todos, apresentavam alguma quebra; contra-cultura; contra-ego. Tiveram momentos em que achei o Alex um sem-noção metido a besta – EU, privilegiando meu enorme EU, considerei algumas ofensas, que agora vejo necessárias -. Os textos são uma escola, porque o Alex, como ele disse, não posta coisas que eu sei que vou concordar, tanto como coisas que sei que não vou. O que eu aprendo através do Alex é a ser menos eu: diminuir ideias e preconceitos que já me pertencem. Alex, apesar de termos a religião em comum, não é meu Duvivier ou meu Silas: ele é a terceira opinião.
    Gosto, assim como Alex, de ter os livros à minha disposição, porque não sugo suas entranhas e as cuspo pra fora quando convém ou assim que deixa de produzir. Não sou A pessoa da internet, mas adoro ter acesso Às Prisões sempre que posso, pra consulta. Eu explodiria com tanta informação, ainda que útil, tendo que não sou fiel somente ao Alex! Com o livro, a divulgação, por minha parte, também seria facilitada, assim como o aprendizado. Espero, ansiosa, pelo lançamento. Obrigada!

  • Marcos Vinicius disse:

    A série de textos As Prisões servem para (pelo menos pra mim), pensar sob um prisma totalmente diferente. Prisão dinheiro e trabalho, especialmente, mudaram minha vida.

  • DAVI CARNEIRO DE LIMA E SILVA disse:

    Até em Bucareste, Romênia, estamos esperando pelo livro.

  • Comecei a ler as prisões há uns 4 anos e desde então cada vez que leio ou releio uma quando termino fico meses sem querer ler outra. Elas me quebram, moem, pisam. Todas as certezas que custei achar na minha vida, uma só prisão consegue estripar pra fora de mim. Fico triste e cansada, por isso demoro a ler de novo. E por conta delas minha percepção da vida e de mim mesma é outra. Saio de um texto como se saísse de um ano sabático.
    Sou eternamente grata a você, Alex, por se colocar inteiramente nu na minha frente e me ensinar tanto, em tão pouco tempo. Quando as prisões se tornarem livros não vai ter desculpa para as pessoas queridas da minha vida não lerem. Um texto grande na internet cansa, mas um livro com todo esse conteúdo vai virar melhor amigo de muita gente. Tenho certeza que vai ser o meu.

  • Sou muito fã do seu trabalho Alex e sim compraria esse livro sem duvidas. Todos os temas são absolutamente bem discutido. Inclusive comparei dois, um para dar de presente a quem me apresentou seu trabalho.
    Grande abraço

  • Vanessa Miranda disse:

    Adoraria ter esses textos em papel pra reler fisicamente!
    Já tenho o costumo de voltar neles por aqui…

  • Leio tudo que o Alex Castro escreve. Quando sair o livro, certamente comprarei – possivelmente, alguns exemplares para presentear, inclusive.

  • Lucas Maimone disse:

    Textos que mudaram minha vida. Aguardando ansiosamente o lançamento do livro.

  • Luciana disse:

    Eu compro. Se fizer venda antecipada vale tb. Compro pq os temas são muito válidos.

  • Anônimo disse:

    Compro

  • Paulo koerich disse:

    Vai ser o livro que mais vou presentear pro resto da vida…
    aguardando ansiosamente o lançamento.

  • Elisa disse:

    Quero comprar o livro AS Prisões para ser meu, e para dar de presente.
    Li muitos dos textos das prisões, mais de uma vez. Quero TER esse livro.

    Da primeira vez que li, ele reverberou em mim por semanas. Realmente, torou meus dias mais leves. Muita coisa do que eu sinto sobre o mundo fez sentido, traduziu em palavas coisas que eu sinto sobre a vida, sobre o dinheiro, carreiras. Sobre se enquadrar.

  • Felipe disse:

    Desde que vi, em 2012, a prisão monogamia muitas das minhas certezas forma abatidas. E talvez seja por isso que continuei seguindo e lendo o Alex. De alguma forma, esses abalos que recebo a cada final de texto motivam-me a ser uma pessoa menos centrada no meu eixo umbigo-córtex. Tem muito mais além disso, não que eu tenha certeza, porque isso não vale a pena ter.

  • […] vez em quando, reconhecer as alegrias diária, mas nada sistematizado. Em 2016, lendo um texto do Alex Castro, sobre privilégios, relembrei essa experiência da terapia e, com isso, ficou muito mais fácil […]

  • Carlos Augusto disse:

    As Prisoes me jogram em um lugar de inquietude e questionamento desde meu contato com o evento e os textos. Isso foi há 4 mais ou menos e ainda hj me impusionam de uma forma muito forte no sentidode repensar e questionar as bols de ferro mentais que arrastamos.

  • Marina Zerlotini disse:

    Eu pensava que tinha a cabeça aberta, que estudei Letras, análise do discurso, então sabia ler o mundo nas entrelinhas. Mas cada vez que leio um trecho d’As Prisões levo um tapa na cara. Os textos do Alex Castro se tornaram referência em vários argumentos com os amigos. São quase um guia pra mim. Gostaria muito de ler todos os textos reunidos!

  • Emérita Sátiro Opaleye disse:

    As Prisões me quebraram várias correntes… Recomendo com muita frequência esses textos, e vez por outra tenho necessidade de revisitá-los, para seguir refinando essa percepção do que me aprisiona… Um livro que certamente teria e daria muito de presente!

  • Keila Vieira disse:

    QUERENDO MUITO ESSE LIVRO.
    prevendo ser o best-seller mais NECESSÁRIO PARA O MUNDO.

  • Lucas de Lima Goulart disse:

    textos maravilhosos! mudaram minha vida e minha maneira de perceber o mundo. não apenas pelo conteúdo que, em si, é riquíssimo. mas a maneira como tudo é apresentado segue um padrão lógico que passei a utilizar em outras situações da minha vida.

  • Anônimo disse:

    Muito precioso poder ressignificar ideias e olhar a vida de novas formas… foi isso que as prisões me proporcionaram e ainda proporcionam, pois sempre que revisito alguma há algo novo a ser peecebido!

  • Francine Figueiredo disse:

    “As prisões” me ajudaram a pensar a vida de uma forma em que não havia pensado ainda. São textos que me incomodaram bastante e, por isso mesmo, provocaram e provocam boas reflexões. Acho que é um livro que se pode consultar a todo momento da vida, especialmente naqueles em que a voz interna está gritando, mas só escutamos o que estão dizendo do lado do fora.

  • Marcia Regina Dias disse:

    Não vejo a hora de ler todo o livro! A prisão conhecimento já mudou minha vida! Q direito tenho de intervir na vida do outro???

  • Rafael Peron disse:

    Gostaria de ter tudo isso compilado em um livro, para ler e reler sempre que achar necessário recalibrar minha percepção do mundo.

    E poder indicar aos amigos que vejo se debatendo com anseios e incertezas diversas sobre a vida.

    Sugestão: assume a 1a edição e coloca no Kickstarter ou outro crowdsourcing por aí.

  • Helvécio Guimarães disse:

    As prisões é um livro para ser lido inteiro (=devorar). Depois guardado na estante para consultar esporádicas. Ou ser emprestado àqueles amigos “sem-noção” que todos temos. Para ser indicado como justificativa ao argumento “auto-ajuda não existe”.

  • Ariani Rodrigues disse:

    mais uma excelente oportunidade para pensar o tempo, o homem e as humanidades desenvolvidades e moldadas sob o aprisionamento das essencialidades.

  • Marina viana disse:

    Acho que esses textos foram os que mais me fizeram pensar. Comecei a questionar coisas que nao sei se teriam me ocorrido sozinha… Sei la, grandes quebras de paradigma e estou ansiosa por ver esses textos publicados em um livro!

  • Isabella disse:

    O projeto As Prisões deixou muito evidente pra mim o quanto estou presa achando que estou fazendo escolhas. Até hoje me pego pensando em cada exemplo que eu vi escrito. Seria incrível se todas as prisões fossem compiladas e virassem um livro, adoraria presentear muita gente com essa leitura esclarecedora da vida.

  • Filipe Borges disse:

    As Prisões vieram para chacoalhar nossas convicções!!! Já acompanho os textos do Alex há tempos e posso afirmar que mudaram toda a linha percepção da realidade. Ansioso pelo lançamento do livro!

  • As prisões será um livro essencial para pensarmos o presente, para refletirmos sobre os preconceitos que nos rondam e que nós mesmos perpetuamos. Espero, sinceramente, que seja editado por uma editora que saiba o quanto ele é importante e merece estar em todas as partes do país. Será possível incluir na lista do amigo secreto DESSE ANO? :p

  • Juliana Verzolla disse:

    Onde vende o livro As prisões? Ainda não está editado? Poxa. Que maravilha ter esse livro na cabeceira e a cada dia reforçar valores tão transformadores e libertadores. E poder presentear quem amamos com esse livro?!!! Eu quero “As prisões ” já!

  • Bárbara Kahena disse:

    Cuidado! Ler “As prisões” pode mudar a sua vida para sempre! Textos com potencial de vicio altíssimo! Maravilhosos!

  • Bruna disse:

    Esses textos transformaram a minha forma de ver a vida. Desde que minha existência passou por uma reviravolta acabei encontrando os textos do Alex não me recordo onde mas tudo o que li me fez refletir imensamente sobre a minha forma de encarar as coisas e sempre recomendo para amigos e amigas. Essa semana mesmo encaminhei a prisão trabalho e a prisão dinheiro pra duas amigas!

  • Marcos disse:

    Um livro que certamente comprarei não só para mim como para dar de presente a algumas pessoas queridas.

  • Tathiana disse:

    Já li todos os textos e ainda assim estou ansiosa pela publicação do livro. Vai ser daqueles de grifar, reler, e dar de presente depois.

  • André Lamin disse:

    Cada texto d’as prisões publicado foi prontamente compartilhado. Acredito que seja conhecimento extremamente relevante, especialmente em tempos de intolerância. Um livro com a compilação ordenada dos textos seria mais uma forma de compartilhamento. Um ótimo presente a ser dado, junto com o Outrofobia.

  • […] sobre simplicidade, minimalismo, lidar com o outro, lidar com gente. Seus textos mais famosos são “As prisões” (aí tem o link de todas), textos longos (longuíssimos), construídos com o decorrer do tempo, […]

  • […] Um dos meus autores preferidos (e se tornou mais ainda depois da lapada que recebi de Paulo Freire)  é o Alex Castro – por sinal, ele é um dos donos do class média sofre. Ele escreveu um texto muito melhor que esse sobre privilegios chamado Prisão Privilégio, além de muitos outros com o tema prisões. […]

  • Isa (@azulrasgado) disse:

    Super quero!

  • Vanessa disse:

    aguardamos ansiosamente pelo livro!

  • Vinicius Rosa Ribeiro disse:

    Aguardando ansiosamente pelo livro!

  • Daniel Soares Santana disse:

    Ótimos textos! Quebram paradigmas de raciocínio, quebram pré-conceitos, nos faz pensar amplamente. Quero comprar o livro.

  • igor niemeyer disse:

    ei alex, que legal!

    agora só falta o livro! :D

    abração,

  • André disse:

    Já baixei acho que uma s219381203 versões diferentes de cada prisão, conforme o Alex ia escrevendo. VOu guardando todas e ainda está tudo bagunçado. QUero um livro logo, organizadinho, impresso, coeso. Beijos Alex te amo a prisão dinheiro mudou minha vida.

  • Heitor disse:

    Esperando pelo livro

  • Ettore Dias Medina disse:

    Comprarei o livro das Prisões assim que sair.

  • Leilany Frauches disse:

    Quando sai o livroooooooooo??????

  • amanda medeiros disse:

    os resumos já ajudam bem. mas eu ainda preciso muuuuuito do livro!! cadê?

  • Sarah Carolina Santos Silva disse:

    Sim, por favor, um livro reunindo os textos As Prisões. Quero.

  • sílvia disse:

    Há dois anos penso nas coisas com que concordei e discordei numa tarde sobre as prisões. Não vejo a hora de ler o livro pra relembrar tudo que se falou naquela tarde, sentir o conforto das coisas com que concordo e o desconforto com tantas outras que continuam me pegando de surpresa e me fazendo pensar.

  • Rodrigo Trindade de Sousa Macedo disse:

    Apenas isso: um livro necessario

  • Taianã disse:

    Sou um apaixonada pelo seu trabalho Alex! Leio todas as News e compartilho sempre! Amo as prisões! Tinha q ter tudo num e book ou sei lá. ..eu ia arrasar nos “amigo oculto tudo” kkkkkkk!

  • Rosana disse:

    Preciso desses livros! Excelentes textos!

  • Ricardo Augusto disse:

    Tenho uma lista de pessoas que quero presentear com esse livro!
    Vou até procurar emprego com mais empenho para repor o dinheiro que guardei pensando em comprar meus exemplares!

    :)

    S2
    s2

  • Felipe de Oliveira disse:

    Com uma linguagem clara e direta, Alex Castro faz uma análise de conjuntura da contemporaneidade brilhante em seus escritos.
    Em especial os textos: “Prisão dinheiro”, “Prisão trabalho” e os exercícios de empatia, me tornaram uma pessoa mais ética.
    Aguardo ansiosamente o lançamento do livro.

  • Mayara disse:

    Quando eu não sabia que tinha miopia, hipermetropia e astigmatismo (sim, tenho os 3) tudo o que eu enxergava eram borrões, nada tinha forma ou rosto. Depois de passar por um oftalmologista e uma óptica, pronto, lá estava eu de óculos e enxergava tudo. Era uma experiência totalmente nova e diferente e eu nem imaginava que se podia enxergar assim, achava que todas as pessoas só viam borrões como eu. O Alex é como o oftalmo, que diagnosticou meu problema e as Prisões são como meus óculos que me devolveram a visão, me tiraram do comodismo, me trouxeram coisas novas e coisas que eu não percebia que acontecia, agora tudo faz sentido. Aguardo ansiosamente pelo livro e quero presentear todos que amo com ele. Todo mundo precisa viver essa mesma experiência. Obrigada Alex!

  • amanda medeiros disse:

    os textos “as prisões” revolucionaram a meu modo de estar no mundo, e de compreendê-lo.
    quero, preciso, exijo o livro com urgência. pra mim, e pra dar de presente pra milhares de prisioneiros que andam por aí, arrastando bolas de ferro invisíveis sem o saber… :)

  • Paulo Ribeiro disse:

    Eu quero esse livro pra ontem!!

  • sil takazaki disse:

    Me fez repensar a vida em vários pontos. Querendo MUITO este livro! <3

  • Pedro Souto disse:

    Taí um livro que acho que vale muito a pena. Gostaria muito de vê-lo publicado!

  • Paulo Campos disse:

    Espero ancioso pelo livro. Mesmo que não tenha nada que não esteja no site, seria ideal para presentear amigos!

    Amo os textos do Alex!

  • Aryene disse:

    Eu quero muito o livro por favor publiquem.Adoro o Alex Castro seus textos e sua forma de pensar são geniais.

  • Katherine disse:

    Para quem nunca pôde ir aos encontros seria ideal poder ler o livro sobre.

  • Fernanda disse:

    O Alex merece, eu mereço, todos merecem esse livro.

  • Luciana Rosenau disse:

    Espetacular!
    Um presente, considero uma “auto-terapia”, uma oportunidade de nos tornarmos seres humanos melhores.

  • Alice Lopes disse:

    Li praticamente todos os textos das Prisões, mudou minha vida de uma forma assustadora e só tenho agradecimentos ao Alex.
    Quando sair o livro comprarei com todo o prazer e farei questão de ir a noite de lançamento aqui em SP, que espero ansiosamente que ocorra.

    Abraços!

  • Camila disse:

    Textos geniais, como sempre! Aqui emRecife estamos esperando o livro!

  • Marcia disse:

    Fui numa das palestras e vai ser o máximo ter esses textos todos comigo!

    Também é ótimo pra presentear!

  • Cristiane disse:

    Esperando pelo livro!!

  • Débora Quintão disse:

    É necessário nos sentirmos mais livres, assim é bom ler sobre o que nos aprisiona, assim refletirmos e nos tornamos mais leves.

  • Bruna disse:

    Textos que transformaram minha maneira de ver a vida. sempre que posso, recomendo. Alex é demais, um grande escritor. Admiro-o imensamente. Precisamos espalhar essa mensagem!

  • Rodrigo Sereno disse:

    Aguardo ansiosamente pelo lançamento do livro impresso, e certamente serei um dos compradores, esses textos definitivamente fazem parte da minha vida, e ajudaram na transformação da mesma! Simplesmente muito obrigado!

  • Giana disse:

    Aguardando há muito tempo…

  • Daniela Dantas disse:

    Todos precisam ler estes textos!
    São palavras que precisam ser lidas, relidas, refletidas… É um manual da vida em sociedade. Inclusive pra se de presente a um amigo. Ou inimigo.

  • Joao Reis disse:

    Velho, vai ser um livro ÉPICO. Mal posso esperar.

  • erick silva disse:

    esse é o tipo de livro que eu quero ter na estante, pra reler e emprestar o tempo todo. aguardando a publicação. =]

  • Gabriela Bicalho disse:

    Esses textos me trouxeram tantas boas reflexões! Muito bom saber que o livro está chegando! Haha já tô até pensando quem eu vou presentar!! Rsss

  • Fran disse:

    Aguardando ansiosamente :)

  • Margarida disse:

    Li alguns trechos e aguardo ansiosamente a publicação do livro!!!

  • Ericka disse:

    Aguardando há tempos por esse livro!

  • Ulisses Tenório da Silva disse:

    O Livro das Prisões é o meu livro mais aguardado de todos os tempos; não vejo a hora de vê-lo impresso, de tocá-lo, de folheá-lo, lê-lo e relê-lo, e principalmente, presentear pessoas com ele. Mas por que, se já li todo o seu conteúdo pela Internet, se já consegui rever tantos e tantos pensamentos e atitudes com o seu conteúdo, se já compartilho seus textos com os amigos? As respostas são muitas, mas as razoavelmente explicáveis poderiam ser ter reunidas todas as prisões num único volume físico, poder dar de presente algo que significa um presente para a sociedade (ainda), fazer os presenteados pensar “fora de suas caixinhas” (clichê, rs), ou como o Alex costuma dizer, chacoalhar as suas convicções. O livro será uma bandeira “por um mundo com menos pessoas toscas”, uma ferramenta perfeita para lapidar essas pessoas, como tem me lapidado.

  • Tupiracy disse:

    Aguardando ansiosamente o livro.

  • thaís kachel disse:

    textos que mudaram e acrescentaram muito na minha vida. quero esse livro!!

  • dinho disse:

    quero comprar esse livro

  • Fernanda Frattini disse:

    O textos as prisões mudou a minha vida. Aguardo o lançamento do livro para ter o meu o presentear as pessoas que amo!

  • Tathiana disse:

    Esperando ansiosamente.

  • Ana Maria Bittar disse:

    Feliz em saber que logo teremos o livro!!!!

  • Daniel Soares Santana disse:

    Espero que os textos das Prisões vire um livro em breve. São ótmas reflexões de como nosso cotidiano nos aprisiona sem que percebamos. Juramos ser livres, mas estamos acorrentados até o pescoço.

  • Cassio disse:

    Aguardando o livro…..

  • Estes textos (todos eles) mexeram comigo de um jeito que nada tinha mexido antes. Mudaram meu jeito de ver tudo ao meu redor, Me fizeram agir pra mudar tudo ao redor. Me fizeram perceber que nossa maior prisão é o narcisismo. definitivamente. E, mais importante de tudo isso: me fez perceber que preciso (se quero um mundo melhor) sair do meu auto centramento e ter mais empatia pelas pessoas. Por todas elas.
    Se hoje faço o que faço, tenho o estilo de vida que tenho (por que foi uma conquista, um desafio, que tento manter, dia após dia) é em, boa parte, por causa destes textos. Por causa desta mensagem.
    O livro vai ser um tesouro, uma preciosidade, quase que ”o livro da transformação”.
    Ansiosíssima.

  • Julia disse:

    Vou comprar com certeza!

  • Guilherme Franzmann disse:

    Também quero e conheço várias pessoas que comprariam sem sombra de dúvidas! Manda a ver, Alex Castro!

  • Iannic Matos disse:

    Na espera desse livro :)

  • Letícia disse:

    Textos maravilhosos. Quero em livro pra presentear a muita gente.
    Aliás, uma versão em inglês não seria mal, pois os poucos que eu traduzo livremente para amigos próximos fazem muito sucesso…

  • Regina Neves disse:

    Quero muito ler As prisões. Manda pra mim na Espanha? Beijos

  • Regina Neves disse:

    Quero muito ler seu livro. Manda pra mim na Espanha? Beijos e sucesso.

  • Débora Quirino Martins disse:

    Gostaria muito do livro As Prisões! acompanhei por aqui e pelo PdH todos textos e são incríveis.

  • alexander Avlis disse:

    Aguardando ansiosamente pelo livro das prisões!

  • Larissa lins disse:

    O livro as prisões será um imenso sucesso pq retrata de uma forma realista as limitações que nós confrontamos diariamente e que estão no senso comum da sociedade.

  • Helana Pinho disse:

    Esses textos abriram minha mente, sempre releio e seria ótimo ter uma versão física para poder grifar ou até mesmo emprestar e dar de presente para um amigo especial :)

  • laura disse:

    as prisões são uma literatura técnica, um manual pra vida. publiquem formato pocket book, e vou fácil comprar uma caixa pra distribuir no natal.

    esses textos me ajudaram a tomar certas decisões e fundamentar alguns valores que tenho fora do senso comum. gostaria muito de poder compartilhar esses estímulos com muita gente.

  • Natália Guimarães disse:

    Aguardando ansiosamente pelo lançamento do livro!
    Por favor, nos avise quando estiver disponível!!!

  • Rodrigo disse:

    Por favor, ao lançar nos avise. =)

  • Heitor Zaghetto disse:

    Vou comprar com certeza!

  • Li uns poucos textos no seu Facebook, mas eu quero o livro e também quero dar um de presente pra alguém! Me identifico principalmente com os textos “prisão dinheiro”… Estou ansiosa esperando! :-)

  • Gustavo C. disse:

    Não lembro como cheguei ao blog LLL (bem que eu gostaria!!), mas caí diretamente na série As Prisões, que fui lendo sem parar e a cada frase eu ficava cada vez mais fascinado. Terminando um, já queria começar outro e não deixar pra depois. Porque esses textos foram trazendo à tona sentimentos e pensamentos que, ou já tinham brotado em mim, ou ainda estavam latentes, ou ainda nem tinham passado pela minha cabeça. Sentimentos e pensamentos que foram criando forma, ganhando corpo, crescendo, amadurecendo, se esclarecendo. E mesmos os textos com os quais a gente “não concorde muito”, servem para que a gente conheça um outro lado, um ponto de vista diferente, saber que existem outros caminhos, que não precisamos transformar em nosso estilo de vida mas podemos recorrer a eles quando precisarmos. Isso é muito enriquecedor. Comprar livro é a última coisa que eu faço, sempre busco biblioteca, emprestar, trocar.. mas vez ou outra eu compro algum, até mesmo que eu já tenha lido, pq é como se o livro tivesse sido absorvido por mim, como se ele passasse a fazer parte de mim, e sei que eu vou querer relê-lo outras vezes. O livro das Prisões eu já sei que é um desses. Já penso tbm em pelo menos umas três pessoas a quem dar de presente, e que tbm farão bom proveito, pessoas que já tem pelo menos um dedo do pé fora dessas prisões.

  • Diego Haupenthal disse:

    Eu trabalhava como diretor de arte em agência de propaganda, com ZERO tesão pelo negócio e procurando desesperadamente uma saída. Quando encontrei a meu plano B, tive medo, muito medo de arriscar sair daquele emprego para tentar algo novo.

    Li os textos de “prisão dinheiro” e aquilo fez tanto sentido que me tranquilizei. Percebi que não precisava de muito para sobreviver e me senti disposto a levar um estilo de vida mais simples se isso significasse ir atrás do que achava importante. O resultado é que, 2 anos depois, levo uma vida radicalmente diferente, e um dos turning points foi justamente os textos das “prisões”.

    Então, quando o livro estiver pronto, impresso e bonitão, vou te pedir uma única dedicatória “De nada. Ass: Alex Castro”.

  • Carlos disse:

    Olha, leio o alex desde 2005 mais ou menos.

    Primeiramente através de algum comentário sobre literatura, salvo engano, mas logo, logo as prisões se tornaram um dos meus sweet spots no blog dele.

    Acho que a prisão dinheiro foi a que mais me ajudou.
    Aliás, alguns ensinamentos da prisão dinheiro trago comigo até hoje, quando percebo que estou perdendo a liberdade.

    Mal posso esperar para ler as prisões novamente.

  • Vinícius disse:

    Compraria fácil.

  • Thawana disse:

    Eu quero!

  • Roberto Coelho Stahelin disse:

    Eu quero. Fico na espera.

  • Janaína Ramos disse:

    Só conheci seus textos nesse ano, então as publicações das Prisões não cheguei a conhecer, ou seja, ansiosa pelo livro. Os trechos que tem publicado apresentam mesmo reflexões muito boas!

  • Lu disse:

    Comecei a ler os textos através de busca na internet em 2010, e não parei mais de acompanhar os textos. Já li dois outros livros, mas sem dúvida a série Prisões será o melhor dos livros.

  • Camila disse:

    Nunca li As Prisões, mas compraria com certeza!Tudo que leio de Alex é fantástico!

  • Pedro Marques disse:

    Pode colocar meu nome aí na lista, Alex!

  • Rogério Santos disse:

    Eu não li todos os textos, mas gostei bastante dos poucos que li. A Prisão Obediência, então, é maravilhosa. Uma conhecida minha estava passando por conflitos de autoridade muito sérios com a família, e ela disse que a leitura desse texto foi muito importante para ela conseguir enxergar coisas que ela não enxergava antes.

    Estou aguardando a publicação desse livro não só para ler todos os textos, como para presentear algumas pessoas. Eu já perguntei isso a Alex algumas vezes, mas ele não deu respostas definitivas. E como eu não conheço o cara, eu não achei bom ficar cobrando – até porque isso não depende dele, é claro.

  • Karina disse:

    ler As Prisões me transformou numa pessoa insuportável, mas com certeza mais livre e feliz.

  • Lívia Matos disse:

    Espero ansiosa pela publicação de “As prisões”… Foram textos que me pegaram em uma fase crucial de minha vida e que me ajudaram muito a refletir sobre a minha responsabilidade em relação ao meu destino. No aguardo!!!

  • Lara Helena disse:

    Eu querooooooo… Já li todos os livros publicados do Alex e não vejo a hora de ter “as prisões” em mãos!

  • Ana Luiza Portes disse:

    Infelizmente não tive contato na época em que o Alex escreveu os textos de “As Prisões”, mas os pequenos trechos que ele disponibiliza me deixam com aquela vontade de quero mais!! E de entender um pouco melhor sobre como as prisões que nós mesmos criamos nos afetam diariamente.

    Compraria o livro com muito prazer! :)

  • Isac disse:

    Publiquem, editoras, ou vou ter que fazer como fiz com o livro RRR: comprar a versão eletrônica diretamente do autor.

  • Vanessa disse:

    Quero esse livro! Quando vai sair ein? Adoro seus textos. Parabéns!

  • disse:

    eu tb compraria!!!!

  • Victor Andrade disse:

    Pode guardar o meu exemplar!

  • Joao Américo disse:

    Acabei de ler snippets dos textos e achei genial! Compraria o livro com certeza.

  • Alex, parabéns pelo seu imenso e belo trabalho de escritor. Estou tentando sempre acompanhar aquilo que escreve pois muitas coisas que escreve e como escreve são ímpares, pelo menos para mim. Muita coisa inclusive é conflitante com minhas crenças e esse é o motivo de estar escrevendo aqui. Vc escreveu no facebook: “O cristianismo, enquanto religião, foi totalmente inventado por Paulo de Tarso (sic) e, depois, transformado em religião de estado durante o fim do Império Romano”. Em Mt. 16:18 Jesus fala: “também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja (…)”. A bíblia fala que a igreja é o corpo de Cristo, ou seja, é muito mais do que uma religião, como você mesmo parece entender em sua fala, ao dizer que Paulo inventou a religião Cristã, enquanto Jesus jamais falou sobre criar uma nova religião, mas sim em transformar a vida das pessoas por meio do seu Espírito. Em suma, eu gostaria muito de poder ler esse texto retirado de “prisão religião”, até porque estou estudando as cartas de Paulo às igrejas e gostaria de ver o que vc tem a dizer e possivelmente a me acrescentar. Espero que possamos trocar algumas ideias depois pela internet. Espero que consigo apoio de uma boa editora.

  • Galeno Lima disse:

    a prisão da verdade! meldels alex, lança esse negocio logo e termina com a nossa agonia =]

  • Carlos Fim disse:

    Não li os textos originais, mas estou ansioso. Que venha logo As Prisões!

  • Rita disse:

    Acho a ideia de publicar As Prisões excelente. Projeto com sucesso garantido, a meu ver.

    Abç,
    Rita

  • Rodrigo disse:

    Olá Alex, espero ociosamente pelo seu livro.

    abraços

  • Osmar disse:

    pode publicar que eu compro! =)

  • Juliana Soares disse:

    Estou ansiosa pelo livro!

  • Priscila Leal disse:

    A história começa assim:

    Eu encontro alguns textos seus no Papo de Homem. Começo a ler e me interessar cada vez mais pelo seu trabalho. Então, sou apresentada à trechos de um texto que não sei se está em andamento ou já existe publicado em algum lugar. O fato é que os tais trechos são incríveis e quero muito ler o “início, meio e fim” desses aperitivos. Aí, finalmente descubro que eles há anos foram disponibilizados e estão em processo de ficar ainda melhores, mas para o meu azar, não há previsão para nascerem. Ai, tortura!

    Recadinho: Editoras burrinhas, publiquem logo “O Livro das Prisões”! Qual é a dificuldade de enxergar o nosso interesse?!

  • Arthur disse:

    li alguns dos trechos que você postou no facebook e achei bastante interessantes, fiquei bastante curioso quanto ao resto, caso a publicação se concretize, é bem provável que eu adquira uma cópia, abraços!

  • Gregório Reis disse:

    Aguardo ansiosamente pelo livro.

  • Dani Santos disse:

    Não li as Prisões na época, mas como admiradora do sue trabalho, estou ansiosíssima pra ler o ivro!

    Espero que consiga publicá-lo o quanto antes, caro Alex.

  • Mariana disse:

    É Alex, parece que vc mudou a vida de mta gente! Inclusive a minha!
    Espero que o livro saia logo!
    Até amanhã! bjs

  • Jussara disse:

    Muita, muita, muita vontade de ler “o livro das prisões”

  • Lívia Carvalho disse:

    Eu compraria este livro.

  • Rogério Silve Evangelista disse:

    Infelizmente, não tive a oportunidade de ler os textos quando estiveram on-line. Só leio alguns deles completos e trechos disponibilizados pelo Alex Castro em seu site e já fico maravilhado!

    Gostaria muito de poder ter em mãos o resto dos textos e presentear meus chegados com eles.

    Aguardo com grande expectativa!

  • hilton disse:

    Muito bom!!!

  • Georgia disse:

    Foram os textos que mudaram a minha vida!!!

  • Katy disse:

    Precisa publicar… as pessoas precisam ler as Prisões.
    Ainda estou ‘digerindo’ e refletindo sobre elas…

    Com certeza será um bom presente para dar aos amigos. Eu quero!

  • Sonia disse:

    Amo os textos sobre as prisões – são totalmente apaixonantes. Fiquei com eles na cabeça por muito tempo depois de ler e adoraria ter o livro.

  • Diogo disse:

    Quando o livro for publicado, comprarei com certeza.

  • Flavia Quintanilha disse:

    Eu já as li as prisões e aguardo ansiosa para ve-las em livro e poder presentear amigos e familiares que, assim como eu, possam se beneficiar dos textos do Alex Castro.

  • Ana Luiza disse:

    Não conheci As Prisões mas com certeza comprarei um exemplar para mim ao ser publicado. Os textos de Alex excelentes.

  • Marcus disse:

    As recomendações e o frissom sao tant@s que eu fiquei curiosissimo! Quero uns tres exemplares…

  • Ciro disse:

    preciso do livro das prisões porque eu também quero largar minha vida e fundar uma tribo de liberais, libertários e libertinos nas florestas de rondônia.

  • Bruno Cuconato disse:

    vou comprar não só um exemplar, mas vários (muitos amigos precisam de ler). life-changing, com certeza.

  • Sonia Ferreira disse:

    Cheguei a você através da prisão dinheiro. Bem, acho que não preciso falar mais nada.

  • Bruno Almeida disse:

    Eu não li todos os textos na época, mas os que eu li me fizeram refletir bastante durante minha adolescência.

    Espero poder comprar o livro logo!

  • Ana Lucia disse:

    Eu eu eu!!!!!!!
    e mais uma amiga, pode colocar uns 10 pra mim na verdade, que eu vou dar de presente!

  • Mais um na fila. Demora ainda para ver a luz do dia?

  • Juliana Seffrin disse:

    Eu li as prisões acho que em 2009, e volta e meia ainda me pego repetindo alguns mantras. É muito bonito, gostaria de me dar um de presente, e também pra alguns amigos meus

  • Elsiene disse:

    Eu quero poder reler as prisões!!!!

  • Também estou na fila! :)

  • Chester disse:

    Eu compraria “As Prisões” em um livro no minuto em que saisse – em particular se tiver a opção de eBook (já que livros físicos são, de certa forma, uma prisão para mim)

  • André disse:

    Também estou na fila!

  • Renata Zukauskas disse:

    Olá, Alex!
    Atualmente moro em São Paulo-capital, mas quando acompanhava as prisões morava no interior com meus pais.
    Lembro que passava horas lendo e relendo e até mesmo reconhecendo algumas idéias minhas em palavras diferentes.
    Passei um longo período afastada de computadores para uso pessoal e hoje lembrei que queria reler algumas das Prisões, naquele tal “Liberal Libertário Libertino”. Assustei-me em saber que ainda não foi publicado o livro. É um projeto bem antigo e posso até atestar que aqueles textos são melhores do que alguns outros livros seus.
    Foi através da prisões que o reconheci como escritor e com certeza cuidarei de reservar meus exemplares [para mim e alguns para presente] assim que conseguir publicar.
    Mas achei mesmo uma sacanagem eles terem sido tirados do ar! Queria tanto reler um pouco daquelas palavras…

  • João Lopes da Silva Neto disse:

    Olá Alex! Moro em São Paulo e leio seus textos com frequência. Admiro seu jeito de escrever, parabéns. O primeiro contato que tive contigo foi através de uma indicação de meu amigo para ler As Prisões. Li e gostei muito pois acrescentou muito em minha vida.
    Gostaria de ler novamente e mostrar para as pessoas que gosto. Aqueles textos mudarão varias pessoas. Espero que não editem tanto e andem logo poxa. Comprarei de imediato. Se puder me avise.
    Até mais.

  • Giana disse:

    Olá, tive contato com alguns textos, mas não todos.
    Gostaria muito de vê-los publicados em breve.

  • Ciro disse:

    Não li a série na época mas fiquei curioso. Como tudo que você escreve, se não é precede uma tentativa de mudança, pelo menos faz questionar.

  • marco aurelio disse:

    ficou rico e agora não precisa mais dos mecenas?

  • Samuel Santos disse:

    Estou aguardando para comprar!

  • Tatiana disse:

    Comprarei. Cheguei no final da festa,li só uns poucos textos, seria ótimo ler as prisões! Abraço.

  • Raphael Nunes disse:

    Ola Alex,

    Espero ansioso para adquirir o livro das prisoes. um grande abraco.

  • Gabriel disse:

    Olha, não li, mas pela fama e admiração que os textos ganharam na web (inclusive em muita gente que a opinião conta pra mim), tenho muita, muita mesmo, curiosidade pra ler.

    Como eu costumo concordar com quase tudo o que você escreve, Alex, – não porque te ache genial ou algo do tipo, apenas leio muitos blogs, com vários níveis de concordância da minha parte, mas por algum motivo o seu está entre os que mais convergem comigo – acho até que vou ter a sensação de que é tudo um tanto óbvio, que já faz parte da minha visão de mundo há tempo demais pra eu achar que se trata de alguma reflexão arrebatadora.

    Mas pra saber isso, eu preciso ler. Torço pra que você consiga publicar, e ainda que as ideias não mudem a minha vida, acho mesmo que terei uma leitura bem agradável, como é com o blog.

  • João lopes disse:

    Oi Alex, li seus textos ja tem um bom tempo. Até hoje comento com amigos, mas não encontro mas as prisões para mostrar a eles.

    Anda logo com seu livro poxa. rsrsrs

    Grande abraço!

  • Tata disse:

    Oi Alex, você não deve lembrar… Mas eu escrevi um texto há alguns anos sobre como os seus textos influenciaram a minha vida. Se você quiser te mando por email. Bjs!

  • Mônia Daniella Magalhães disse:

    bem, eu não li *ainda*, e espero ansiosamente a publicação para comprar o meu. Me avise por e-mail por favor.

  • Jonathan Miez disse:

    Li todas as prisões, amei, salvei todas no computador para a posteridade (sabe como é, blogs tendem a desaparecer da noite pro dia e eu não queria perder algo tão valioso).
    Se sair um livro, é mais do que certo que compro.

  • Vitória Akemi disse:

    Não conheci a série, mas boto fé no que o Alex escreve. Com certeza vai se juntar ao LLL aqui em casa!

  • PRECISAMOS desse livro! :)

    eu e todas as pessoas do meu convívio: minha irmã, meus amigos, meus colegas de trabalho… até meus filhos (quando os tiver)

    Separa (pelo menos) uma cópia pra mim aí! ;)

  • Gabriel disse:

    Não tive a oportunidade de ler a série quando ainda estava no ar, mas só pelos depoimentos e por tudo que já li do Alex, com certeza compraria esse livro… me considero sim um dos leitores ansiosos!
    Abs

  • Teresa Silva disse:

    “As prisões” são textos excelentes que mostram como alguns conceitos e comportamentos, impostos seja pela educação que recebemos seja pela sociedade, podem tolher o ser humano e fazê-lo se sentir infeliz, frustrado, angustiado e outros sentimentos que te botam pra baixo. E pra piorar, sem a pessoa saber a origem disso. Alguns textos te fazem pensar “Puxa, e não é que faz sentido, (…) tá mesmo atrasando a minha vida”. E motivam a uma mudança de atitude que faça reverter essa infelidicade.

    Mas que fique claro, não são textos de auto-ajuda com mensagens tatibitati. As frases, diretas e às vezes usando palavras de baixo calão, podem chocar. Mas para mim é um choque que sacode e desperta, faz o leitor acordar para a vida.

  • Marcus Telles disse:

    Conheci a série num momento pessoal de libertação de uma série de prisões, e os textos foram incríveis para que eu pudesse definir quem eu queria ser dali pra frente. Muito do que sou hoje e da forma pela qual me relaciono com as pessoas foi, de alguma forma, estabelecido em diálogo com As Prisões.

    Comparei um volume pra mim, e, pelo menos!, mais dois para presentear.

  • Marcus Telles disse:

    Conheci a série num momento pessoal de libertação de uma série de prisões, e os textos foram incríveis para que eu pudesse definir quem eu queria ser dali pra frente. Muito do que sou hoje e da forma pela qual me relaciono com as pessoas foi, de alguma forma, estabelecido em diálogo com As Prisões.

    Comparei um volume pra mim e pelo menos mais dois para presentear.

  • OCoisa disse:

    Não tive a oportunidade de conhecer a série, mas desde que conheci o LLL adorei os textos do Alex.
    Tenho certeza que valerá apena lê-los.

  • Daniela Viana disse:

    “As Prisões” me fizeram chegar ao blog, e dele nunca saí. Considero-as a obra prima do Alex apesar de reconhecer toda a qualidade das outras séries de posts. Realmente me encontro ansiosa à espera dessa publicação para reler incontáveis vezes e presentear importantes amigos.

  • Helvécio disse:

    Sim, estou ancioso pelo livro. Mesmo já tendo conhecido os textos no blog, quero lê-los novamente, juntos. Creio que o impacto será mais forte.

    E poderei presentear os amigos que ‘precisam’ ler os textos.

    No aguardo.
    Hevécio

  • Faz um tempo que li As Prisões, de modo que a memória pode estar distorcida sem uma revisão recente. Vou falar das impressões que ficaram, do que a experiência de ler As Prisões significou para mim em retrospecto.

    Diz o provérbio que uma mente, uma vez que se expanda, não se contrai novamente. Ou alguma coisa parecida. Que, quando você vê a verdade, quando sua percepção se abre, não dá mais para ignorar, des-ver o que viu, voltar medìocremente para o buraco úmido e escuro. As Prisões de Alex Castro são um dos instrumentos a serviço de transformações dessa ordem. Mostram, de modo bem didático, onde é que estão as ideias tacanhas, retrógradas, que aprisionaram você até hoje e das quais você não se tinha dado conta, de tanto que a sociedade está impregnada delas. Depois que você lê As Prisões, passa a ver, com muito mais clareza, várias e insidiosas ilusões de limitações a sua liberdade, limitações que não existem, mas que a sociedade convencia você de que existissem. E não dá mais para des-saber, des-ver, des-entender. Sua mente se expande, você se percebe livre como não sabia, e aí é levado a questionar tudo que sabia, e rever todo seu comportamento, e perceber sua responsabilidade, sua capacidade até então ignorada, e sua liberdade de mudar sua vida.
    Uma leitura que é, no mínimo, necessária a todo o mundo, especialmente, mas não apenas, a adolescentes inteligentes e a todo o mundo que tenha o hábito de questionar a si e ao mundo.

  • Tiago Lorenzo disse:

    Os textos sobre “As prisões” não são geniais. São corajosos. Dizem o óbvio com todas as letras.

    Bem, talvez eles sejam sim geniais exatamente por isso.

    Alguém TINHA que escrevê-los. Mas quem escreveu foi Alex Castro.

    Todos os meus conhecidos ganhariam um de presente.

    Aguardo ansioso.

  • Camis disse:

    Os textos sobre as prisões foram fundamentais para uma revisão de muitas, muitas atitudes e sentimentos meus – depois deles repensei, aprendi, chorei, ri, me descobri, foi sensacional.
    Comentei com vários amigos meus sobre os textos e todos estão à espera de uma oportunidade de conhecê-los. Isso mesmo sem que tenham lido nem um mísero parágrafo, o interesse apareceu só pelo valor da idéia.
    Realmente, só falta uma edição caprichada para aproveitar. Estou na torcida desde já!

  • Luanna Priscilla disse:

    As vezes me canso do Alex novo…
    Eu adorei as prisões, li todas, hoje gosto mais das prisões
    do que do autor.
    Portanto e um livro que vou querer ter.

  • Pamella disse:

    Eu infelizmente não conheci ” AS PRISÕES”… mas, gosto muito do blog LLL. Além disso, tenho um carinho especial pelo editor e pelos textos dele… Aguardo ansiosa para ter em mãos o livro.

    Boa sorte!!

  • Rafael disse:

    Acho que este é o melhor trabalho do Alex, na minha opinião. O motivo principal pelo qual eu leio sempre o blog dele.

  • carol disse:

    Esta série de textos é muito boa, escrita com objetividade, bom humor, perspicácia e muito bom senso.

    São textos gostosos de ler e que prendem a nossa atenção pela abordagem singular e aguda de temas comuns do cotidiano de todos nós.

    Que venha o livro!

  • Marcos disse:

    Foi com as Prisões que eu fui apresentado ao trabalho do Alex Castro e foram esses textos que começaram a mudança de pensamento pela qual eu venho passando.

    Sabe quando, de repente, você se toca de que é possível ver as coisas de outra maneira? Foi isso que aconteceu comigo com esses textos. E hoje eu fico muito triste por não poder lê-los na internet. Portanto, que venha LOGO o livro!

  • Não li todos os textos, mas os que eu li foram muito bons e me ajudaram a entender muitas coisas que estavam acontecendo na minha vida e eu não entendia, ou coisas que eu sempre fiz unicamente para agradar os outros e nem me dava conta do que estava fazendo.

    O destaque especial vai para a Prisão Obediência. Li e encaminhei esse texto para minha lista de contatos na época, e muita gente se identificou com as ideias contidas lá e reagiram positivamente ao texto.

    Estou esperando a publicação do livro. Já leio o LLL de graça há quase dois anos, e a compra do livro das Prisões será a minha primeira contribuição a esse cabra que tem-me dado altas ideias. Já estou no aguardo.

    P.S.: a série sobre racismo fez o maior sucesso entre os meus e as minhas estudantes ano passado. Bem que você poderia reuni-las em um livro também.

  • Karina disse:

    A série das prisões foi a melhor coisa que eu já li na internet. Só isso.

    Esses textos foram o estopim de várias das minhas crises de identidade, de moral, de valores… ajudaram a eu me transformar numa pessoa não livre, mas ciente das prisões que me rodeiam e sempre na tentativa de me libertar um pouco mais delas.

    Mas, não vou mentir, Alex, quanto mais a gente sabe das nossas próprias prisões – e a partir das suas prisoes eu acabei descobrindo algumas das minhas prisoes, nao necessariamente as mesmas que as suas – enfim, quanto mais descobria as minhas prisoes, pior me sentia.

    Então não posso dizer que a série d`As Prisões deixaram a minha vida melhor. Acho que deixaram um pouco mais angustiante. Eu teria cuidado sobre quem presentear com um livro (mas com certeza iria me presentear).

  • […] This post was mentioned on Twitter by Alex Castro, Alex Castro, Alex Castro, Alex Castro, aiaiai 63 and others. aiaiai 63 said: RT @alexcastrolll: Vc tem interesse no Livro das Prisões? Por favor, dê sua opinião aqui: http://alexcastro.com.br/prisoes […]

  • Tathiana disse:

    Li várias vezes – quando ainda estavam disponíveis – enviei os links para várias pessoas, e vou comprar para mim e para outros o livro. É para ler quando precisar pensar, se avaliar, se conhecer, mudar. São ótimos textos.

  • jccc disse:

    a graça das prisões é que todos possuem as suas próprias prisões. que as prisões não é algo exclusivo seu, que você não é um fracassado por possuir amarras. ao mesmo tempo que é um soco no estômago, pois vemos pô eu sou assim. será que posso mudar. é por isso que gosto das prisões

  • Diana disse:

    E isso de formar uma comunidade de leitores e interlocutores pela rede é realmente fantástico. São lindos mesmo. Bastou contar que esta página estava aberta pra comentários, e em quatro horas já veio tudo isto de gente comentar? Com opiniões assim convictas, leituras comovidas mesmo dos textos?

    Sabe o que é isso em termos de internet, pra um cara publicando sozinho num blog tão cabeção? hehehe. Isso é ouro, gente. Publiquem esse sujeito. :)

  • Diana disse:

    O Alex faz há anos um percurso de reflexão e mudança pessoal, relatado em público, por escrito e dando a cara pra bater num blog — é isso mesmo?? Que fascinante. Quanto mais eu leio mais me impressiona, mais me interessa, mais eu tenho vontade de dialogar com isso. E muitos posts antigos do blog (porque a gente vai pulando de um pra outro, querendo entender melhor o que ele está sacando, querendo ouvir mais e conversar) dão links para os famosos textos das prisões. Pelo que vi, são termos e temas cujo debate é realmente polêmico e frutífero. Só que eu cheguei depois e não li… então que venha essa publicação, porque eu quero bastante continuar essa conversa.

  • Giovanna Lima disse:

    Os textos das prisões foram os que mais me fizeram repensar sobre as minhas antigas certezas.
    O livro com certeza faria parte da minha estante.

  • As prisões formam os primeiros textos que eu encontrei sobre o Alex Castro, em 2006, acho, numa busca sobre o tema para um trabalho de socio-economia em Marketing. Os textos são maravilhosos e sou declaradamente fã da idéia de fazer o livro uma realidade. Conte com meu voto e meu livro como se comprados! ;)

  • Adam disse:

    Descobri o blog LLL em uma fase de profundo amadurecimento e, acredito, as Prisões foram cruciais para tomar alguns caminhos e não outros. Superei preconceitos, medo, angústias através destes textos. Muita coisa mudou – o Alex, então, nem se fala o quanto mudou :) – mas o poder destes textos, no que acerta e no que aliena, continua ímpar. Mal vejo a hora de ter meu volume, bem editado e emprestável :)

  • Alex Luna disse:

    Conheci o Alex pelos posts das prisões, e lembro de ter enviado e reenviado vários desses posts a muita gente.

    Não são textos para concordar. São textos para fazernos capazes de discordar do mundo, da realidade, das grades mentais que nos impedem alcançar nossos plenos potenciais.

    Espero que saia a preço barato, porque eu comprarei caixas para presentear.

  • Marcell disse:

    Antes eu não tivesse conhecido esses textos das prisões… Eles me lembram, dia após dia, que não sou tão livre como pensava, que a liberdade está distante e que fracasso em conquistá-la. Me lembram que tenho que buscá-la sempre; incansavelmente, e que não posso me acomodar, que nada que existe é natural e normal e tudo tem uma razão de ser e tudo é questionável e mutável.
    Ainda bem que conheci os textos das prisões.

  • Eduardo disse:

    As Prisões foram os primeiros textos que li do Alex Castro. Vale muito a pena ter um material daquele pra presentear uns cabeças duras por aí. E pra minha cabeça dura também é bom relê-las de vez em quando

  • aiaiai disse:

    Caramba,

    Seria maravilhoso ter o livro das prisões impresso. Desde que li no blog recomendo toda a série para várias pessoas, mas poucas gostam de ler na internet. Eu compraria vários e daria de presente para muitos. Sugiro, por isso, fazer uma edição bonita mas econômica.

  • Marcus Pessoa disse:

    O que eu gosto nas Prisões é que o conteúdo é subversivo, mas a forma é direta, facilmente assimilável. Quando o Alex as publicou no blog, todo mundo ia comentar, porque são idéias que tocam na subjetividade das pessoas; como se fosse algo sobre o qual todo mundo tem opinião.

    A que mais me marcou foi a Prisão Verdade. Eu estava começando a escrever ficção, e os textos do Alex me deixaram mais à vontade inclusive para “ficcionalizar a vida real”. Nada como, nas conversas entre amigos, inventar um pouco, tornar os relatos mais vívidos do que os próprios fatos a que eles se referem.

  • Andre de C. Rodrigues disse:

    As prisoes marcaram minha adolescencia e com certeza compraria mais de uma cópia se elas fossem compiladas em um livro – assim como fiz com o LLL.

  • Naiara disse:

    Nossa, eu procurei ontem mesmo o texto sobre religião, queria disseminá-lo por aí. Fiquei tão cabisbaixa porque não encontrei…

  • Lilian disse:

    Quero o livro das prisões! Ou melhor: pre-ci-so dele!

  • Fabiane disse:

    Quando eu era crente, caipira e ingênua, parei de ler seu blog por um bom tempo porque as prisões me faziam pensar – e nada pior para um religioso que pensar!

  • Ivan disse:

    As prisões fizeram parte da minha mudança de cidade e de um jeito de encarar a vida (mesmo o Alex não sabendo disso).
    Fiquei extremamente transtornado depois de ler aqueles textos e percebi que tinha que mudar alguma coisa em mim e que não devia ser tão difícil de me libertar das minhas próprias amarras.

    Ficaria lindo na prateleira de casa para consultas.

  • Marco Aurelio Miranda disse:

    Apoiado!

  • Adorei os textos sobre as prisões. Mudaram a minha vida quando eu era adolescente, quebraram uma série de preconceitos e me ajudaram a ser uma melhor pessoa.

    Inclusive depois que entrei pra faculdade percebi que esses textos tinham muito mais a oferecer do que eu havia percebido no começo e descobri vários aspectos deles em uma segunda leitura.

    Sou um dos leitores ansiosos!

    Abraço.

  • Henrique disse:

    Ah, as prisões, esses foram os textos que fizeram muito sucesso e foram amplamentes debatidos lá na faculdade!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.