Kafka no restaurante

Alguém deve ter distorcido seu pedido, pois assim que Joseph K chegou no restaurante o garçom já lhe trouxe um bife. Joseph K mandou voltar o bife e o garçom disse que não tinha autoridade pra devolver o bife, que Joseph K deveria falar com o Gerente-Geral. Joseph K pede que ele pelo menos afaste o bife, pois é vegetariano e tem nojo. O garçom diz que não pode fazer nada, que é apenas uma engrenagem na grande máquina do restaurante, que não sabe como as coisas funcionam, que tem acesso apenas ao 3o cozinheiro, que teria que passar o bife ao 2o cozinheiro, que teria que passar o bife ao 1o cozinheiro, que teria que passar o bife ao cozinheiro-chefe, que nenhum deles nunca tinha visto, não sabiam nem se existia um cozinheiro-chefe. Joseph K pede que o garçom então chame o Gerente-Geral. O garçom avisa que é inútil, que o Gerente-Geral nunca vem ao restaurante, nunca gerencia nada e nunca, nunca fala com os clientes, mas que iria tentar assim mesmo.

Enquanto espera, Joseph K começa a trocar olhares com sua vizinha de mesa, uma certa Fräulein Bürstner, que ele conhecia de vista. Ela se aproxima dele, senta ao seu lado, passa o pé por sua perna e tenta avisá-lo para não devolver o bife, melhor comê-lo e pronto, mas ele se recusa a ceder, e ela se afasta, desiludida, dizendo que então não poderá protegê-lo.

Aparece um novo garçom, dizendo que desde o começo dos tempos, nunca ninguém conseguiu devolver um bife, e aponta um senhor sentado no fundo do restaurante, que estava esperando seu bife há anos e anos, mas que ele, garçom, conhecia o cozinheiro-chefe e poderia interceder em nome de Joseph K.

Os anos se passam. Joseph K está magro pela falta de comida. Não ganha nem sobremesa até acabar seu bife. Um dia, um cozinheiro de outro restaurante senta em sua mesa e lhe conta uma história. Um freguês chega diante da porta da cozinha, protegida por um guarda enorme, e lhe diz que gostaria de entrar. O guarda não deixa e o homem senta pra esperar. Ambos esperam a vida toda. O freguês tenta subornar o guarda, que aceita os presentes mas não o deixa entrar. Muitos anos depois, quando o homem já está morrendo de fome e de velhice, o guarda lhe diz que aquela cozinha tinha sido construída somente para ele e, agora que iria morrer, ela seria fechada pra sempre. Joseph K não entende nada.

Finalmente, dois garçons fortes como dois armários saem da cozinha dispostos a resolver tudo, levantam Joseph K pela gola e arremessam ele e seu bife no chão. Uma bota militar aperta a cabeça de Joseph K contra o bife e o garçom manda: come tudo, agora, assim!

Joseph K obedece. Como um cão.

* * *

Não está recebendo meus emails?

Eles podem estar escondidos na pasta Spam, Atualizações, Promoções, Fóruns, etc.

Para isso não acontecer mais, encontre algum dos meus emails e arraste-o até a sua caixa de entrada principal.

* * *

Compartilhe esse texto

Se você gostou desse texto, por favor,  compartilhe no facebook, encaminhe esse email, me ajude a espalhar meu conteúdo.

E eu te agradeço.

imersões nelson (3)

* * *

Apoie a arte que você consome

Se meus textos adicionaram valor à sua vida, te peço para considerar a possibilidade de uma contribuição proporcional ao valor que os textos têm para você.

Assim, você estará me dando a possibilidade de criar novos textos, produzir novos argumentos, inventar novas ideias.

alexcastro.com.br/mecenato

* * *

Próximos eventos

* * *

Encontro “As Prisões: Exercícios de Atenção”

Aos domingos, o dia inteiro.

Belo Horizonte 9set2018 (#99, só mais DUAS vagas)

São Paulo 30set2018 (#101, contribuição consciente)

Salvador 21out2018 (#102) 

Belém 11nov2018 (#103)

* * *

Imersão “As Prisões: Exercícios de Atenção”

Fins de semana, de sexta, às 18h, a domingo, às 17h.

Sudeste 21-23set2018 — Areias, SP (#98, só mais DUAS vagas)

Você vem?

imersão as prisões de alex castro

imersão as prisões de alex castro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

What's this?

You are currently reading Kafka no restaurante at alex castro.

meta