Guia pessoal para conversas políticas

Antes de conversar sobre política com qualquer pessoa, tento sempre lembrar que:

1. A outra pessoa tem tanto direito à sua opinião e ao seu voto quanto eu, minha opinião e o meu voto não são melhores do que os da outra pessoa;

2. A outra pessoa não quer (deliberadamente) destruir o país: todas nós queremos felicidade, segurança, conexão humana significativa;

3. Não sei como foi a vida da outra pessoa, que traumas sofreu, que experiências a levaram às suas escolhas;

4. Dado que não é uma opção matar ou expulsar do país as pessoas com opiniões inaceitáveis a mim, só me resta aceitá-las ou, em período eleitoral, convencê-las;

5. Não se convence uma pessoa de nada lhe acusando de más intenções ou lhe impondo identidades (“você é isso!”), ofendendo ou excluindo;

6. O primeiro passo para convencer uma pessoa é ouvindo o que ela tem a dizer e se abrindo para sua visão de mundo, aceitando suas experiências e entendendo suas razões;

7. Meu objetivo é inclusão, não exclusão; atração, não repulsão; encontrar pontos de convergência, não de divergência;

8. Se tudo mais falhar, repetir para mim mesmo o primeiro mantra: “A outra pessoa tem tanto direito à sua opinião e ao seu voto quanto eu, minha opinião e o meu voto não são melhores do que os da outra pessoa”.

Um debate eleitoral frutífero só pode se dar na base da Atenção e do Cuidado: presumindo que a outra pessoa quer tanto cuidar do Brasil quanto eu e ouvindo com atenção o que ela tem a dizer.

(Leia também os meus Exercícios de Atenção.)

* * *

Essas são regrinhas pessoais, em constante fluxo. Quem achar que faz sentido e quiser adotar, fique à vontade.

Depois de passar o texto entre pessoas amigas, muitas delas discordaram fortemente do segundo ítem. Em resposta, escrevi a continuação abaixo:

* * *

Todas as pessoas querem o melhor para o Brasil

Uma pessoa que defenda propostas políticas que me parecem odiosas está, ainda assim, autoevidentemente falando a partir de um lugar de tornar o Brasil um lugar melhor.

A diferença é que temos ideias bem diferentes de como tornar o Brasil um lugar melhor.

EU acho que as ideias dela para tornar o Brasil um lugar melhor, na verdade, tornarão o Brasil um lugar pior.

Mas, do ponto de vista dela, idem: as MINHAS ideias para tornar o Brasil um lugar melhor, para ela, tornarão o Brasil um lugar pior.

Dá pra ter muita conversa e muito diálogo dentro disso.

Naturalmente, o diálogo predispõe intenção de ambas as partes.

Se a outra pessoa não quer diálogo (e ela tem direito de não querer dialogar comigo), e dado que não posso matá-la, expulsá-la, prendê-la por ter opiniões diferentes das minhas, só me resta aceitar essas opiniões.

Mas, se presumo que, por ela ter opiniões para mim odiosas e inaceitáveis, que ela QUER tornar o Brasil um lugar pior, então, quem está se colocando em um beco sem saída, fora da possibilidade de diálogo, sou EU.

* * *

As pessoas não sabem o que querem e o que sentem. Quando sabem, não conseguem articular verbalmente. Quando conseguiriam, não ousam, porque têm vergonha, porque querem agradar, porque pegaria mal, porque magoaria alguém.

Ainda assim, desse jeito tosco e tropeçante, caminhamos pela vida, buscando felicidade e segurança, sempre carentes por qualquer tipo de conexão humana significativa.

Presumir essa boa-fé inerente à condição humana é o que nos permite criar uma ponte com a outra pessoa.

* * *

Os três votos da Ordem dos Pacificadores Zen

Faço parte da Ordem dos Pacificadores Zen. Todos os dias, ao meio-dia, repito nossos três votos:

— Praticar o não-saber, abrindo mão de certezas prévias.

— Estar presente na alegria e no sofrimento, nunca virando o rosto.

— Agir amorosamente, de acordo com essas duas posturas.

O primeiro voto, “praticar o não-saber, abrindo mão de certezas prévias”, não significa abandonar nossos conhecimentos, mas somente nosso apego a eles, por reconhecer que esse apego muitas vezes nos impede de perceber a realidade como ela é. Quem acha que sabe, não enxerga, não aprende, não escuta: a atenção precisa ser somente para o outro, vazia de todo o peso que colocamos nela.

O segundo voto, “estar presente na alegria e no sofrimento, nunca virando o rosto”, significa enxergar a outra pessoa sem separação e sem negação, sem julgamento e sem análise, sem sujeito e sem objeto. É estarmos ali, de forma plena e destemida, abertas ao que é, aceitando a realidade do momento presente, habitando a vulnerabilidade ou o êxtase, a dor ou a alegria, da outra pessoa.

Já o terceiro voto, “agir amorosamente, de acordo com essas duas posturas”, é a consequência lógica e necessária dos dois primeiros: se consigo me desapegar de meus conhecimentos e habitar plenamente o momento presente, então, a ação correta, ao mesmo tempo amorosa e política, se revelará.

O processo de corporificar os três votos em nosso dia a dia pode ser árduo e gratificante, inspirador e apavorante. O primeiro passo é reconhecer a enormidade de nosso não-conhecimento. Ao fazer isso, perdemos aquela profunda certeza na solidez de nossas opiniões. Sem essa certeza, já não nos sentimos tão impelidas a julgar e opinar sobre as vidas alheias. Sem julgar e sem opinar, nossas interações humanas começam a se tornar menos violentas, invasivas e autocentradas. Agora, já conseguimos simplesmente estar ali, ao lado de outra pessoa, de maneira plena e aberta, não mais como juízas que tudo sentenciam ou como mestras que tudo aconselham, mas apenas como pessoas capazes de ouvir e de aceitar, de acolher e de abraçar.

Longe de promover a alienação e o conformismo, estar presenta na alegria e na dor alheias a partir de uma postura de não-conhecimento nos permite e nos estimula a agir no mundo de forma mais efetiva e mais generosa, menos egoica e menos violenta, mais transformadora e mais política.

* * *

Pós-Escrito: Imersão na Praia, com desconto até 15nov

Não adianta: eu sou do mar.

Por isso, minha Imersão favorita não poderia deixar de ser a que acontece na praia.

Acabei de abrir inscrições para a próxima Imersão do Nordeste, a ser realizada em Taíba, a 70km de Fortaleza, em uma pousada em frente à praia, no fim-de-semana de 1 a 3 de fevereiro de 2019.

O evento custa R$400 — mais $300 de hospedagem, com todas as refeições incluídas.

Só até 15nov, entretanto, para recompensar quem se inscreve cedo e ajuda o meu planejamento, o evento está saindo por apenas R$150.

Para saber mais e se inscrever:

alexcastro.com.br/encontros/imersao-as-prisoes-nordeste

* * *

Enquanto isso, a Imersão do Sudeste (18-20jan2019), em uma pousada paradisíaca bem no meio do caminho entre RJ e SP, também está aberta e com desconto:

alexcastro.com.br/encontros/imersao-prisoes

§ uma resposta para Guia pessoal para conversas políticas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

What's this?

You are currently reading Guia pessoal para conversas políticas at alex castro.

meta