Categorias
textos

Os textos que não leio

Evito ler um texto quando já sei que concordo com suas ideias — pra quê, né? só pra fazer corinho? Evito ler um texto quando já sei que discordo de suas ideias — pra quê, né? só pra me irritar?

Evito ler um texto quando já sei que concordo com suas ideias — pra quê, né? só pra fazer corinho?

Evito ler um texto quando já sei que discordo de suas ideias — pra quê, né? só pra me irritar?


Fim. O texto é esse. Abaixo, um pós-escrito mais detalhado.


De fato, nunca sabemos nada: não temos como saber a integralidade do que está em nenhum texto antes de lê-lo.

Mas, ainda assim, existem mais livros pra ler do que temos tempo para viver.

Então, mesmo quando chegamos em um livro em uma postura ativa de não-saber (meu livro Atenção. é sobre isso), precisamos ter tido algum critério prévio para ter decidido ler esse livro e não os outros milhares que também queríamos ler.

Os dois princípios acima, a rigor, são impossíveis de seguir, mas, como guia geral, depois de trinta anos de leituras, eles têm me servido muito bem.

Nunca ou raramente li algo do Gregório Duvivier ou Leonardo Sakamoto, da Eliane Brum ou do Jean Wyllys, que eu discordasse. Com o tempo, fui percebendo que eram textos que, justamente por isso, me acrescentavam muito pouco e, pelo contrário, me tornavam mais arrogante e complacente, afagavam meu ego ao ver minhas opiniões tão bem desenvolvidas, e, assim, acabavam confirmando e solidificando as ideias e preconceitos que eu já tinha.

Nunca ou raramente li algo do Allan dos Santos ou do Olavo de Carvalho, do Flavio Morgenstern ou do Rodrigo Constantino, que eu concordasse. Com o tempo, fui percebendo que eram textos que, justamente por isso, me acrescentavam muito pouco e, pelo contrário, me tornavam mais arrogante e complacente, me irritavam ao ver minhas opiniões atacadas de maneiras tão detestáveis, e, assim, acabavam confirmando e solidificando as ideias e preconceitos que eu já tinha.

Então, hoje, sempre a partir de uma postura de não-saber, meu objetivo é evitar esses dois extremos, pois ambos, cada um a sua maneira, tendem apenas a fortalecer meu ego.

Minha lista de leituras é pública: basta dar uma olhada para saber quais são os livros que escolhi para ler nesse meu caminho do meio.


Atenção., capa em alta resolução. Clique para baixar.

Meu livro Atenção. pode ser comprado nas principais livrarias online do país, em versão impressa, ebook e até mesmo áudiolivro, narrado por mim.

Lê e me conta?

(Para ver todas as opções de compra, clique aqui.)


Me paga um café por mês?

Dez reais não compra nem uma revista semanal, nem um misto quente com café. Gastamos dez reais em qualquer porcaria, sem nem pensar.

E você? Pagaria dez reais por textos que você gosta? Que te fazem pensar? Que você cita e repassa aos amigos? Que mudaram sua vida?

Se você gosta dos meus textos, se eles te fazem pensar, se você cita e repassa pros amigos, te peço que considere fazer uma assinatura mensal de dez reais.

É pouco, muito pouco, mas faz uma enorme diferença.

Se apenas 3% das sete mil pessoas que assinam meu newsletter fizessem uma assinatura mensal de dez reais… isso cobriria todas as minhas despesas fixas. E eu poderia me dedicar exclusivamente a escrever esses textos que você gosta e cita e repassa. Esses que mudaram sua vida.

E eu agradeceria muito, muito mesmo.

Todas as mecenas e assinantes são parte integrante do meu processo de criação artística e serão citadas nas páginas de agradecimentos dos meus futuros livros.

Seja uma mecenas.


Os textos que não leio é um texto no site do Alex Castro, publicado no dia 20 de maio de 2020, disponível na URL:  alexcastro.com.br/os-textos-que-nao-leio // Se gostou, repasse para as pessoas amigas ou me siga nas redes sociais: Newsletter, Instagram, Facebook, Twitter, Goodreads. Esse, e todos os meus textos, só foram escritos graças à generosidade das pessoas mecenas. Se gostou muito, considere contribuir: alexcastro.com.br/mecenato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.