Categorias
textos zen

Minha religião é o cosmos

Como escolhemos entrar em contato com o transcendente?

Por causa de minha prática zen, tenho acordado todo dia antes do nascer do sol.

Para mim, ver o sol se levantar é um momento sagrado e religioso, de comunhão transcendental com o cosmos, com a realidade, com a existência.

Porque o sol, na verdade, não nasce e nem se levanta, não morre e nem se põe. Essas metáforas, que inventamos há muito tempo, quando ainda não entendíamos o que estava acontecendo, estão tão gastas pelo excesso de uso que já nem emocionam mais.

A verdade (ou, pelo menos, a verdade como a entendemos hoje) me parece muito mais mágica e muito mais arrebatadora.

E a verdade é a seguinte:

Existe essa bola de pedra. (Dependendo do ponto de vista, ela é gigantesca ou minúscula.) Essa bola é rodeada por uma camada de água e, acima dessa camada de água, por uma camada de ar. (Existem alguns poucos bolsões de terra por cima da água.) No centro dessa bola de pedra, existe uma força misteriosa que atrai as coisas para si. (É só por causa dessa força que a bola existe enquanto bola: sem ela, as pedras que compõem a bola, a água e o ar que a circundam, tudo se dispersaria no vácuo.) Essa bola está se deslocando através do vazio do espaço a uma velocidade aproximada de cem mil quilômetros por hora, enquanto gira em torno de si mesma a uma velocidade de 1.600 km/h.

Ali perto (ou muito longe, depende do ponto de vista), existe uma bola flamejante de gás e plasma, que se desloca pelo espaço a uma velocidade de 800 mil quilômetros por hora e que também possui em seu centro uma força misteriosa que atrai as coisas para si. (Como a bola flamejante é um milhão de vezes maior que a bola de pedra, sua força de atração também é proporcionalmente muito maior.)

Uma dessas coisas atraídas pela bola flamejante é justamente a bola de pedra, que se desloca pelo espaço sempre ao redor dela. A bola flamejante emite calor e luz para todos os lados — esquentando e iluminando, inclusive, a bola de pedra em sua órbita. O lado da bola de pedra voltado para a bola flamejante fica sempre mais quente e mais iluminado do que o outro lado. (Enquanto a bola de pedra gira ao redor de si mesma, o lado quente e iluminado e o lado frio e escuro se alternam.)

Então, digamos que existam minúsculos animaizecos vivendo em alguns dos bolsões de terra sobre a superfície de água da bola de pedra, bichinhos cuja diminuta capacidade intelectual e curtíssima duração de vida só não são absolutamente insignificantes quando comparadas aos critérios que eles mesmos inventaram. Do ponto de vista desses seres (tão ínfimos que nem percebem que estão se deslocando pelo espaço), a bola flamejante parece que está subindo e descendo no céu. Mas, na verdade, enquanto a bola de pedra gira em torno de si mesma, a luz emitida pela bola flamejante vai avançando irrefreavelmente por sua superfície, até alcançar o ponto onde está um desses insignificantes animais.

Esse bicho, então, emocionado por ainda dispor do usufruto de sua ridiculamente curta existência por mais um autogiro da bola de pedra, agradece silenciosamente ao cosmos e vai tentar ser útil aos outros macaquinhos.

* * *

Essa era uma das Práticas de Atenção que exercitamos na Imersão As Prisões: Práticas de Atenção, quando elas ainda aconteciam, quando as pessoas ainda se encontravam para fazer coisas bonitas.

Esse texto faz parte da primeira Prática de Atenção, Praticar uma gratidão sustentada, do meu livro Atenção., que apresenta e desenvolve as vinte Práticas.

Ele pode ser comprado nas principais livrarias online do país, em versão impressa, ebook e até mesmo áudiolivro, narrado por mim. Lê e me conta?

(Para ver todas as opções de compra, clique aqui.)

* * *

Me paga um café por mês?

Dez reais não compra nem uma revista semanal, nem um misto quente com café. Gastamos dez reais em qualquer porcaria, sem nem pensar.

E você? Pagaria dez reais por textos que você gosta? Que te fazem pensar? Que você cita e repassa aos amigos? Que mudaram sua vida?

Se você gosta dos meus textos, se eles te fazem pensar, se você cita e repassa pros amigos, te peço que considere fazer uma assinatura mensal de dez reais.

É pouco, muito pouco, mas faz uma enorme diferença.

Se apenas 3% das oito mil pessoas que assinam meu newsletter fizessem uma assinatura mensal de dez reais… isso cobriria todas as minhas despesas fixas. E eu poderia me dedicar exclusivamente a escrever esses textos que você gosta e cita e repassa. Esses que mudaram sua vida.

E eu agradeceria muito, muito mesmo.

Todas as mecenas e assinantes são parte integrante do meu processo de criação artística e serão citadas nas páginas de agradecimentos dos meus futuros livros.

Seja uma mecenas.

(O quadrinho acima é de Raphael Fernandes, um artista que aliás eu apóio. Clique aqui e apóie também.)

* * *

Minha religião é o cosmos é um texto no site do Alex Castro, publicado no dia 25 de maio de 2020, disponível na URL: alexcastro.com.br/minha-religiao-e-o-cosmos // Se gostou, repasse para as pessoas amigas ou me siga nas redes sociais: Newsletter, Instagram, Facebook, Twitter, Goodreads. Esse, e todos os meus textos, só foram escritos graças à generosidade das pessoas mecenas. Se gostou muito, considere contribuir: alexcastro.com.br/mecenato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.