Categorias
1ª aula: Bíblia Hebraica grande conversa

Jó: a resposta da não-resposta

Aceitar que não existem respostas é fazer as pazes com o universo. (Um guia de leitura para a primeira aula do curso “Introdução à Grande Conversa”.)

O Livro de Jó talvez seja o ponto alto literário da Bíblia. Ele é dialógico e poético, trágico e racional, místico e rebelde. Infinitamente complexo, estranhamente consolador. Um mistério que já dura milênios e não parece perto de ser solucionado.

Como jovem ateu, o Livro de Jó me foi imensamente importante. Demorei muito para entender porque teriam decidido colocar na Bíblia um livro que, para mim, provava ou que Deus não existia ou que, se existisse, era um canalha caprichoso que não valia a pena adorar, seguir, obedecer; e, em ambos os casos, que nada nada fazia nenhum sentido.

quadro "jó e seus amigos", de ilya yefimovich repin, 1869.
quadro “jó e seus amigos”, de ilya yefimovich repin, 1869.

Rebeldia não-satânica

Jó é de uma arrogância não antipática, mas heróica: perdeu tudo, está nu, coberto de chagas, fustigado pelos amigos, mas ainda se lembra de quando sentava na porta da cidade e era ouvido e respeitado: tem autoestima e respeito próprio o suficiente para clamar contra o Deus que ainda adora, para confiar no valor de sua fé, de sua virtude, de sua piedade.

Em alguns momentos, Jó parece um quase Prometeu, vontade férrea e inconquistável, vítima transformada em juiz, celebrando sua própria agonia com petulância e impertinência.

Mas, por outro lado, se Jó parece estar sempre a um passo de uma rebeldia satânica, desafiadora, ele nunca dá esse passo. Jó se rebela, mas também aceita. Reclama, mas não desconstrói. É rebelde, mas com limites.

Só essa ambivalência pode explicar que um personagem tão inconformado, tão rebelde, tão contestador, tenha virado o proverbial paciente.

Só essa ambivalência pode explicar que um livro que documente tanto inconformismo, tanta rebeldia, tanta contestação, tenha sido canonizado no uberlivro que continuamente denuncia a rebeldia como o maior de todos os pecados.

O Satã de Paraíso Perdido (nossa leitura da sétima aula) provavelmente é o maior rebelde da literatura mas, na Bíblia hebraica, Jó é muito mais rebelde e contestador do que Satã.

Um livro antiantropocêntrico

Em praticamente toda a Bíblia, o homem é sempre o centro de tudo, a Criação foi feita para ele, os animais criados para ele, etc. No Livro de Jó, acontece o oposto: Deus esfrega na cara de Jó, pela única vez em toda a Bíblia, o quão pequeno, minúsculo e desimportante é o homem comparado a todo o resto da Criação:

“Olha quanta coisa incrível, inominável, maravilhosa está acontecendo no cosmos enquanto vocês estão aí preocupados com dinheiro e camelos.”

Deus enfatiza que o reino animal é por definição amoral: cuidar carinhosamente dos seus filhotes pode significar lhes dar o sangue de outro animal que você acabou de matar, um paradoxo que só sublinha a limitação patética dos cálculos morais antropomórficos de Jó e seus amigos. O verdadeiro princípio que rege o mundo animal (e, por extensão, o cosmos) é maior, mais cruel, mais violento, do que nossa moralidade humana pode imaginar.

Ao celebrar cada elemento da Criação por si próprio, de modo independente, sem ser em relação ao homem, Deus afirma que não pode ser julgado apenas por suas manifestações na esfera humana, ou de acordo com a moral humana. Deus é literalmente sobrehumano e não pode ser responsável por tragédias que só são tragédias a partir do limitado ponto de vista dos humanos.

As respostas dos quatro amigos a Jó não estão nem erradas, mas são apenas lugares-comuns de consolo religioso. O discurso de Deus revela não apenas verdades duras e cósmicas, amorais e incompreensíveis, mas também a distância abissal entre essas verdades divinas e os clichês humanos autoconsoladores.

A resposta é que não existe resposta

O Livro de Jó vira ao avesso o diálogo comum entre Deus e homem na Bíblia hebraica: em geral, como nos livros proféticos e em Jeremias, Deus acusa o homem de quebrar a aliança; aqui é o homem que interpela Deus.

A resposta, entretanto, não responde nada porque não poderia haver resposta possível aos questionamentos existenciais de Jó. Ao contrário, Deus desconversa e direciona Jó para além de suas pequenas preocupações individuais e em direção a um vasto universo de poder e beleza, contradição e variedade, forças antagônicas e energias infindáveis, tudo muito além de sua compreensão humana.

Deus parece querer ganhar de Jó em seu próprio jogo:

“Ah, você tem perguntas? Pois eu tenho perguntas melhores! Perguntas que ninguém nunca fez! Perguntas que ninguém pode responder”

Em uma Bíblia hebraica praticamente sem diálogos diretos, o Livro de Jó é quase que como um diálogo socrático, mas ao avesso: sua proximidade aparente com o diálogo filosófico praticado por Platão só faz sublinhar as enormes diferenças entre o pensamento grego e o hebraico. Em um diálogo que, a primeira vista, parece cético e racional, Deus é o mais cético e o mais racional de todos: ele vira a racionalidade contra os racionalizadores, vira o ceticismo contra os céticos, e acaba solapando ambos.

Ao enfatizar a inescrutabilidade da justiça divina, Deus liberta Jó da falsa esperança de que coisas boas lhe acontecerão se for bom — ilusões às quais seus amigos ainda estão apegados, ilusões às quais a maioria das pessoas religiosas ainda está presa.

Até hoje, fico espantado com a quantidade de pessoas cristãs que disparam umas contra às outras os mesmíssimos clichês dos amigos de Jó, clichês que o próprio livro sagrado de sua religião já explicitamente detona.

Para que serve então o Livro de Jó? Por que um livro tão estranho, tão diferente, tão polêmico foi escolhido para canonização na Bíblia hebraica? Qual é sua função? Qual é sua mensagem? O que esperava-se que ele comunicasse aos fieis?

A mensagem do livro parece ser: devemos fazer o bem e evitar o mal não para recebermos recompensas, mas porque sim. E, ao mesmo tempo, que não devemos julgar as pessoas que sofrem nem como pecadoras (como fazem os amigos de Jó) nem como abandonadas por Deus (como faz Jó). O fato de alguém estar sofrendo não significa necessariamente nada: Deus esmaga otimistas e pessimistas, pecadores e justos, com o mesmo martelo.

Por mais que essa mensagem divina pareça dura e insensível, Jó antes estava atormentado e, depois, consolado. A recusa de Deus em se justificar já é, em si mesma, uma justificação. Uma não-explicação vinda de Deus explica mais do que todas as explicações dos homens. Jó não obtém a resposta que queria (na verdade, que exigia), mas o fato de o Deus criador de tudo se rebaixar a lhe dar uma carteirada dessas já é, por si só, uma consideração, um respeito, enfim, uma resposta.

Para Jó, rebelde quase satânico, aceitar a inescrutabilidade da justiça divina acaba se revelando não um ato de submissão, não um ato de aceitação, mas também um ato de comunhão, um salto kirkegaardiano no vazio absurdo da fé. Ao rejeitar o ceticismo e a racionalidade, Jó alcança um certo êxtase sereno, um estado contemplativo e místico. O mundo continua não fazendo sentido, talvez até faça menos sentido que antes, mas Jó está finalmente em paz.

(Referências: Moshe Greenberg, “Jó”, em Guia Literário da Bíblia; Robert Alter, Arte da Poesia Bíblica, cap.4; G. K. Chesterton e Kenneth Rexroth, em The Hebrew Bible in Literary Criticism, 450, 460)

* * *

Esse texto faz parte dos guias de leitura para a primeira aula, Antigo Testamento, do meu curso Introdução à Grande Conversa: um passeio pela história do ocidente através da literatura. Esses guias são escritos especialmente para as pessoas alunas, para responder suas dúvidas e ajudar em suas leituras. Entretanto, como acredito que o conhecimento deve ser sempre aberto e que esses textos podem ajudar outras pessoas, também faço questão de também publicá-los aqui no site. Todos os guias de leitura da primeira aula estão aqui. O curso começou no dia 2 de julho de 2020 — quem se inscrever depois dessa data terá acesso aos vídeos das aulas anteriores.

* * *

Jó: a resposta da não-resposta é um texto no site do Alex Castro, publicado no dia 30 de junho de 2020, disponível na URL: alexcastro.com.br/jo // Se gostou, repasse para as pessoas amigas ou me siga nas redes sociais: Newsletter, Instagram, Facebook, Twitter, Goodreads. Esse, e todos os meus textos, só foram escritos graças à generosidade das pessoas mecenas. Se gostou muito, considere contribuir: alexcastro.com.br/mecenato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.