As virtudes de não-lutar | alex castro

As virtudes de não-lutar

Estamos no século III antes da Era Comum. Roma, então somente uma cidade-estado na península itálica, estava em guerra com outra cidade-estado, Cartago (perto da atual Túnis), pelo controle do Mediterrâneo.

Aníbal Barca, um dos grandes generais de todos os tempos, desembarcou um exército de mercenários e elefantes na Espanha, cruzou os Alpes enfrentando mil perigos e penetrou na Itália pelo norte, surpreendendo Roma e suas aliadas.

Durante dezoito longos anos, Aníbal perambulou pela península, vencendo todas as batalhas que travou.

Roma sofreu derrotas achapantes, que teriam derrubado qualquer cidade mais fraca, e que são estudadas até hoje em academias militares pelo mundo, como as de Lago Trasimeno e Canas.

Ainda assim, não caiu.

Por quê?

Aníbal, longe de casa e isolado, PRECISAVA de batalhas: eram elas que lhe davam forças, renovavam seus víveres, impediam seu exército de se autoconsumir em lutas internas.

O cônsul romano Fábio Máximo sugeriu uma nova tática: simplesmente lhe negar suas tão desejadas batalhas. Quando Aníbal se aproximasse, as cidades romanas se fechariam dentro de suas muralhas e esperariam que fosse embora. Ataques somente às suas linhas de abastecimento, nunca ao exército principal.

Para a maioria dos cidadãos romanos, entretanto, orgulhosos das virtudes militares de sua poderosa república, a ideia de simplesmente não fazer nada enquanto um implacável general inimigo passeava pela península era intolerável.

Roma também era ciosa de sua democracia: mesmo enfrentando uma ameaça existencial, continuava conduzindo eleições regulares. Nas seguintes, Fábio Máximo foi prontamente substituído por líderes mais marciais e mais viris, que deram batalha a Aníbal, foram derrotados e mortos.

Roma queria lutar, mas também estava exausta: toda uma geração de jovens foi exterminada nessas batalhas fúteis. Finalmente reconduzido à liderança com plenos poderes, Fábio Máximo implementou a assim chamada “estratégia fabiana” que consistia, basicamente, em não dar a Aníbal o que ele tanto queria.

O general cartaginense ainda ficou uns anos batendo pezinho pela península, exigindo a batalha decisiva que achava que Roma lhe devia e chamando os romanos de covardes, mas acabou empacotando seu exército e voltando para a África.

Então, com a casa segura, Roma cruzou o Mediterrâneo com todas as suas forças e impôs a Aníbal sua primeira, única e última derrota. Pouco anos depois, Cartago foi destruída e sumiu do mapa.

Aníbal era brilhante: Fábio Máximo foi mais.

* * *

Existem inimigos contra os quais temos que lutar com todas nossas forças.

Algumas vezes, porém, temos que lutar com todas as nossas forças… contra a tentação de atacar aqueles inimigos que se alimentam de nossos ataques.

A vitória política pertencerá a quem conseguir diferenciar um do outro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

What's this?

You are currently reading As virtudes de não-lutar at alex castro.

meta