Categorias
3ª aula: Romanos grande conversa

As geórgicas, de Virgílio

Nenhum poema tão pouco heróico poderia ser tão heróico. (Guia de leitura para o curso Introdução à Grande Conversa)

Nenhum poema sobre a desordem poderia ser tão bem ordenado. Nenhum poema tão pouco heróico poderia ser tão heróico. Cada agricultor e cada enxada, cada cabra e cada abelha, são herois de sua própria luta pela existência diária.

Nada me preparou para o quanto gostei de As geórgicas, de Virgílio.

Abaixo, algumas notas de leitura.

* * *

Principal poeta romano, Virgílio terminou As geórgicas em 29aEC. Se considerarmos que a Eneida (geralmente considerada sua obra-prima) ficou inacabada e, no seu leito de morte, ele tentou destruí-la, As geórgicas é a sua principal obra completa, finalizada, como ele desejou e projetou.

Aparentemente, é um exemplar de poema didático, ou seja, um poema escrito para ensinar algo. (O único outro exemplar mais conhecido seria Da natureza, de Lucrécio, escrito alguns anos antes e que serve de modelo às Geórgicas.)

Se Da natureza tem como objetivo explicar o funcionamento do universo, As geórgicas é bem mais restrito: pretende ensinar a cultivar o campo, cuidar do solo, plantar árvores, criar animais, gerenciar abelhas. (“Geórgicas” significa “coisas agrícolas” em latim.)

As primeiras quatro linhas, quase um índice, apresentam o conteúdo dos quatro livros do poema:

What makes the crops rejoice (1), Maecenas, under what stars

to plow and marry the vines to their arbor of elms (2),

what care the cattle need, what tending the flocks must have (3),

how much practical knowledge to keep frugal bees (4)—

here I start my song.

(Todos os trechos na tradução de Janet Lembke, de 2005.)

Só que não.

Em primeiro lugar, se realmente pretendesse ensinar agricultura, por exemplo, teria mencionado porcos ou burros, que eram elementos centrais da vida rural na Itália da época. Mas não menciona, pois ambos tinham conotações negativas, traziam à mente sujeira e glutonice. (Não menciona nem escravos, que eram parte integrante da vida rural romana. Em As geórgicas, nada realisticamente, todos são livres.)

Mais importante, ainda bem que As geórgicas não tratam (somente) de cultivar o campo, cuidar do solo, plantar árvores, criar animais, gerenciar abelhas, pois seria chato demais.

As geórgicas também falam sobre a peste e sobre a guerra, o trabalho duro e os azares da vida, o amor e a morte. Na verdade, grande parte da energia do poema vem de sua indecisão entre o otimismo e o pessimismo, entre cantar as delícias do campo e também suas durezas.

Essa fratura interna é o que dá poder e energia Às geórgicas, é o que faz o poema transcender as limitações tanto do gênero pastoral quanto didático.

História de um camponês

Por um lado, por exemplo, temos trechos idílicos, como essa história de um camponês, prosaico e proverbial, com uma vida simples e perfeita, não precisando de mais nada, olha que beleza:

I saw an old man from Asia Minor who had a few

rural acres, not fertile enough to be plowed by oxen

nor suitable for the flock’s grazing nor fit for the vine.

Nonetheless, here amid brambles, planting vegetables in rows,

white lilies, curative vervain, and slender-stemmed poppies,

he equaled the wealth of kings in spirit and, coming home

late at night, loaded his tables with an unbought feast.

He was the first to pick roses in spring and apples in fall,

and when harsh winter still broke apart the rocks

with its cold and curbed the flow of water with ice,

he was cutting away the asphodel’s limp foliage,

rebuking tardy summer and the dallying West Winds.

So, he was first to be rich in productive bees

and a bountiful swarm, first to collect foaming honey pressed

from the comb, and his lime trees and pines were most luxuriant;

as many the fruits in new flower that clothed his fertile trees,

so many did they hold into autumn’s fullness.

 (IV, 127-43)

Elogio à Itália

O trecho – que canta as belezas e as potencialidades da Itália, com várias mentiras que os leitores originais certamente detectariam, pois também moravam na Itália! (duas colheitas por ano, etc) – não deixa de ser belíssimo:

But not the groves of Persia, that land of fabled wealth,

not the Ganges nor the Asian river that’s muddy with gold

may vie with Italy’s excellence, no, not the Afghans’ land,

not India nor the fabled place of sand rich with frankincense.

Bulls shooting flames from their nostrils have never plowed

our land so that it may be sown with monstrous dragon’s teeth,

nor have our fields of grain bristled with soldiers’ helmets and spears.

Instead, bountiful crops and Campanian wine fulfill

the land; olives possess it, and grass-fattened herds.

Here, the high-stepping warhorse canters over the plain,

here, Umbria, your white herds graze, and the bull, grandest

sacrifice, which, bathed frequently in its holy stream,

leads triumphant Romans to the temples of the gods.

Spring is eternal here, and summer lasts more than three months.

Twice a year, the cows bear calves, twice the trees yield fruit.

But predatory tigers don’t live here, nor stalking

lionkind, and wolfsbane does not fool the sorry soul who picks it,

nor does the scaly viper, winding sinuous upon

the ground, gather itself into a coil and strike.

De repente, o tom muda e, de um verso a outro, passa a cantar as glórias humanas da Itália, incluindo suas conquistas militares, e o que era patriotismo se transforma em chauvinismo militar, mas sempre lembrando o valor do esforço e da resiliência:

Add up the many great cities, jewels of human effort,

and the many towns built by hand on rocky hillsides

with rivers purling bright below their ancient walls.

Shall I speak of the Adriatic and Tuscan seas that wash

our coasts? Of the abundant lakes? You, Como, the greatest,

and you, Garda, waves building with the surge and rush of the sea?

Shall I speak of our harbors and Lake Lucrino’s breakwater

where Ocean in outrage crashes and roars

and the port’s waves resound as the sea is repulsed

and the salt-tide floods into the channels of Averno?

This country presents us with streams of silver in her veins,

and copper mines; her rivers carry a flood of gold.

She has borne a sharp kind of man—hill-town guerrillas,

mountain men raised with adversity, fighters with short spears;

hers, too, men skilled in war—the Decii and Marius,

the great Camillus, the Scipios, and you, Caesar, best of all,

already victor in remotest Asia, who now

keeps the unwarlike Middle East far from our Roman hills.

Hail, land of Saturn, bountiful mother of grain and fruits,

bountiful in men. For you I set forth a subject that

anciently commanded skill and praise. Daring to tap

the sacred springs, I sing Hesiod’s song through the Roman towns.

(II, 136-75)

Corrida de cavalos

Ou então esse trecho, poderossíssimo, mostrando o vigor irreprimível de cavalos furiosos em corrida:

You see, don’t you, when chariots take to the field in headlong

competition and rush forth, poured out of the starting gate,

when hope excites young drivers, that care, run riot, drains

their pounding hearts? They press on, whips flailing, and leaning

forward slacken the reins. Filled with force, the heated wheels roll on.

Now low to the ground, now lifted aloft, the horses seem

to be borne through the empty air and ascend into heaven.

No pausing, no rest, but a cloud of yellow dust rises,

they’re lathered with foam and the snorting of those hot on their heels—

so fierce their love of praise, so strong their desire for victory.

(II, 103-12)

A peste e os animais

Por outro lado, a natureza também traz a morte e a destruição, e derruba esses mesmos cavalos com a peste:

The stricken horse, once a victor, stumbles, forgetting both

zest and grass; he turns away from water and often strikes

the ground with a hoof; his ears droop, on them a fitful sweat

breaks out, turning cold when he is about to die; his skin

is dry and, unyielding to the touch, resists his handler.

In the first days these are the signs of approaching death,

but as the sickness progresses, it begins to rage.

Then, truly, the eyes burn, and breath is drawn deeply inward,

heavy now and then with groans, and the nethermost flanks

are distended by drawn-out gasping, from the nostrils

black blood pours, and the rough tongue presses on the blocked throat.

It seemed helpful to infuse them with wine through an inserted

funnel—this was thought the one salvation for the dying,

but soon it led to their failing—they burned up with madness

renewed, and already sick unto death (may the gods grant

better to the pious and injury like that to our foes),

they tore at their limbs, cutting them to pieces with bared teeth.

(III, 498-514)

Virgílio nunca antropomorfiza os animais. Eles não existem por nós e para nós, não estão lá para servir de exemplo, metáfora, símile, não são retratados de forma patética ou condescendente. Os animais são animais, têm existência, verdade, nobreza por si mesmos, desde as pequenas abelhas, passando por cabras e ovelhas, até cavalos e bois, esses últimos também cruelmente atingidos pela peste:

But look, the ox, smoking under the heavy plowshare,

collapses and vomits blood mixed with foam from his mouth

and groans in his extremity. The sorrowing

plowman goes, unyoking the ox that mourns its brother’s death,

and in the midst of the job leaves the plow idle

Not the shade of the deep groves, not the soft grassy meadows

can stir his spirit, not the stream clearer than amber rolling

down rocks as it seeks the plain; his flanks sag loose

beneath him, and dullness afflicts his sluggish gaze,

and his neck, under a pressing weight, hangs down toward the earth.

What use his work and services? What use that he turned

hard earth with the plow? Yet neither Bacchus’ gifts from wine-rich

Campania nor recurrent banquets harmed him and his kind.

They feed on leaves and fodder of plain grass, their cups are

upwelling springs and rivers flowing rapid in their

course, nor does care disrupt the sleep that brings them health.

(III, 515-30)

Tempestade

Homens e animais também estão igualmente à mercê da fúria dos elementos. Aqui, uma tempestade desaba, destruindo tudo em seu caminho:

Often, when a farmer led his reaper into the golden fields

and was taking barley off its easily broken stalk,

I have seen all the winds rush together in battle,

which everywhere tore heavy grain up from its deepest

roots and forced it skyward; just so, in a black whirlwind,

cold, stormy weather routed light chaff and flying stalks.

Often, too, a huge column of water appears in the heavens,

and clouds, massing on high, roll foul weather in

with its black thunderstorms. The sky falls overhead

as flooding rains wash away healthy crops and the work

of the oxen. Ditches fill, deep rivers crest with a loud

rush, and the once-calm sea boils up in a foaming surge of fury.

The Father himself in the dark night of thunderheads hurls

his bolts with right hand striking sparks. From that battering, great

Earth trembles. Wild animals seek refuge, and fear lays

human hearts low throughout the world. He smites down

Mount Athos, a range in Thrace, or Caucasian peaks

with his lightning spear. Wind-force doubles, rain ever thickens

till now the groves, now the shores groan under the hard gale.

(I, 316-34)

Guerra

Por fim, como se não bastasse o esforço para domar a natureza, e os perigos dos elementos, o homem também agride o próprio homem, em infindáveis guerras civis.

O último século da República Romana, entre os anos 130 e 30aEC, é o mais convulsionado de sua história. Somente em guerras civis, entre 91 e 82, morrem 200 mil pessoas e, entre 49-42, outras 100 mil, em uma população total de quatro milhões e meio, culminando com a destruição de um sistema político que durara 450 anos. É um cataclisma, e percebido como tal por seus contemporâneos. (Falo mais sobre isso aqui.)

No meio de tudo isso, Lucrécio escreve Da natureza pouco antes da guerra civil de 49-42 e Virgílio, As geórgicas entre 36 e 29, em meio à última das muitas guerras civis. Finalmente, em 31, Otávio Augusto derrota Marco Antonio e, já em 29, vitorioso e em uma Roma pacificada, tem o prazer de ouvir o próprio Virgílio lhe declamando As geórgicas. Era o começo de duzentos anos de Pax Romana.

Mas, aqui e ali, ao longo de todo o poema, ecoam ecos do século de guerras civis que se encerrava, o tinir das armas atrapalhando o trabalho das foices e das enxadas:

So, for a second time, Philippi saw Romans in battle

lines join combat between themselves with weapons equal,

nor was it found shameful by the gods that Macedonia

and the broad Balkan plains were twice made fertile by our blood.

And a time shall surely come that, in those countries,

the farmer working the soil with his curved plow

shall discover javelins corroded and scabrous with rust

or clank on empty helmets with his heavy hoe

and wonder at the huge bones found in uncovered graves.

(I, 489-97)

Virgílio e Lucrécio

As geórgicas pulsa estoicismo e epicurismo, e isso é mais visível nos trechos especificamente sobre morte e entropia:

So, fate decrees that everything

tumble into a worse state and slide swiftly backwards,

just as when someone whose oars can hardly force his boat

against the current should happen to relax his pull,

the flow will seize him, pushing him headlong downstream.

(I, 199-203)

The best day of a lifetime is the first to flee for luckless

humankind; sickness comes in stealth, with graceless old age

and suffering, and death’s relentless rigor seizes us.

(II, 66-8)

Os versos abaixo também são largamente considerados uma referência a Lucrécio e ao seu poema Da natureza, que nos ensinou a vencer o medo da morte:

Blessèd, he who understands the workings of nature

and tramples all fear and relentless fate and the boneshaking

clatter of greedy Death beneath his feet.

(II, 490-2)

Trabalho

Por fim, se As geórgicas tem um tema, certamente é o valor do esforço, do trabalho. Na tradição cristã, o ser humano precisa suar para tirar seu sustento da terra porque comeu do fruto proibido. Em Virgílio, por outro lado, somente porque essa é (para citar Lucrécio) a natureza das coisas. Nenhum poema canta de maneira mais bonita, mais dura, mais emocionante, tudo aquilo que o ser humano consegue realizar diante das quase insuperáveis dificuldades da vida.

Plainly, everything requires work, every last plant

mustered into furrows and, with great effort, tamed.

(II, 61-2)

Apesar disso, não conseguimos deixar de sentir um certo orgulho por essa conquista, até mesmo um certo prazer metódico na execução correta dessas tarefas tão necessárias:

Need I mention him who, having sown the seed, tends the fields

hands on and vigorously levels piles of barren sand,

then diverts rivulets of running water to his crops

and, when the soil dries up, its sprouted grain burnt, in summer’s heat—

behold!—brings water from the ridge through irrigation

channels? Falling, it rushes down the smooth stones with a hoarse

white noise and restores the thirsty soil with its bubbling jet.

And mention him who, lest his grain bend low with heavy ears,

chops down a bountiful wheat crop when the young stalks

of standing grain reach the tops of their furrows, and him

who drains collected moisture from a swamp with thirsty sand,

especially in unsettled weather, if a river swells

to overflowing and everywhere spreads a coating of mud

that makes the drainage ditches sweat a thin, damp mist?

Nos versos seguintes, Virgílio enfatiza que foi o próprio Júpite que fez com que o trabalho fosse tão duro. (Paraíso Perdido, um poema com muitos pontos em comum com As geórgicas, também conta a história, mas de uma perspectiva cristã, de como o trabalho se tornou duro.)

Even so, after the hard work of man and ox to turn

earth over, nothing stops the goose bold to uproot wheat,

Eurasian cranes, and chicory with its bitter roots,

nor is heavy shade harmless. The Father himself hardly

willed that agriculture would be easy when he called forth

the field with his art, whetting human minds with worries,

not letting his kingdom slip into full-blown laziness.

Before Jove took power, no settlers broke the fields with their plows:

it was impious then to mark off the land and divide it

with boundaries; people sought land in common, and Earth herself

gave everything more freely when no one made demands.

It was Jove who put deadly venom in the hissing snake,

ordered the wolf to turn predator and the deep sea to surge, 130

shook all the honey from the leaves, extinguished fire,

and everywhere held back the wine that flowed fast in the streams

so that, using their brains, men might gradually hammer out

many skills, like searching for stalks of wheat by plowing,

and so that they might strike the spark held in veins of flint.

Then rivers first sensed boats of hollowed elder wood;

then the seaman counted and named the stars—Pleiades,

Hyades, the princess whom Jove turned into the bright Bear;

then they learned how to catch game in snares, how to use birdlime

and surround vast woodlands with deer dogs and bear dogs;

while one man flogs a wide stream with his cast-net seeking

the bottom, another pulls his sodden draglines through the sea;

then came iron’s hardness and the grating blade of the saw

(for early men split wood along the grain with wedges);

then came the arts in many guises. Relentless work conquered

all difficulties—work and urgent need when times were hard.

(I, 104-46)

O trecho termina no verso que é considerado um dos mais duros do poema, e que também pode ser traduzido como “Insatiable toil occupied all areas of existence” e “Hard work prevailed, hard work and pressing poverty.”

Tudo, tudo nessa vida, tudo na natureza, requer trabalho:

And you face yet other work in caring for your vines,

for which you can never do enough. Every year the soil

must be turned over three or four times, and the clods broken up

with your two-pronged hoe reversed, and the whole arbor

stripped of leaves. Moving in great circles, work revisits

the farmer as the year wheels around in its own tracks.

And as soon as the vineyard drops its leaves in the fall,

and the frigid North Wind shakes summer’s beauty from the woods,

the passionate farmer extends his planning to the coming

year and attacks the dormant vine, cutting it back

with Saturn’s curved pruning hook and trims it into shape.

Be the first to break up the earth, first to burn the cuttings

you’ve piled up, and first to store your support stakes in the shed.

Be the last to gather grapes. Twice, deep shade assaults your vines;

twice, weeds thick with thorny brambles overrun your vineyard.

Either task is hard work. Give praise to grand estates, but

farm one that’s modest. Still more, prickly shoots of butcher’sbroom

throughout the woods and reeds on the riverbanks must be cut back;

dealing with wild willows will also keep you occupied.

Now the vines are bound, now leave off pruning the vineyard,

now the very last vine-dresser sings the completed rows.

You must still rake the soil, stirring up clouds of dust, and worry

that Jove may pummel your ripe grapes with hard rain.

(II, 397-419)

Não conseguimos fugir do trabalho, entre outras coisas porque as causas de nosso trabalho somos nós mesmas.

* * *

Abelhas

Por fim, o quarto livro talvez seja o mais enigmático: boa parte dele é tomado por conselhos para a criação de abelhas, um dos trechos mais longos do poema.

Por que passar tanto tempo com abelhas? Mais do que com gado, com videiras, com qualquer outra coisa? Por que escolher encerrar o poema assim? Qual será a mensagem? Para muitas pessoas, a resposta é simples: depois de um século de guerras civis, Virgílio está propondo uma sociedade como a das abelhas, focada sempre no coletivo e não no individual, como modelo para Roma. (Talvez assim como a civilização é um projeto coletivo de imortalidade, uma colméia também seja.)

Só que essa metáfora não se sustenta. No poema, as abelhas são mostradas como dignas de respeito, como capazes de se sacrificar pela coletividade, etc, mas também de maneiras problemáticas: elas se reproduzem assexualmente e travam guerras ferozes entre si.

Na verdade, são as guerras entre abelhas que demonstram a impossibilidade de utilizá-las como modelo. Quando o apicultor encerra a batalha com uma mãozada de terra, somos lembrados que sim, as batalhas humanas também acabam assim, somos pó e ao pó voltaremos, mas justmaente não existe apicultor para nos encerrar nossas guerras com tanta facilidade. (Novamente, a Roma de Virgílio acabava de passar por cem anos de guerras civis ininterruptas.) Quando o apicultor escolhe entre as duas rainhas em guerra e, pelo bem da paz da colméia, elimina a mais fraca, isso é algum tipo de comentário político? Matar Marco Antonio para que Otávio possa trazer a Pax Romana? Justamente, não existe modelo humano possível aqui: nada, ou quase nada, da alegoria das abelhas funciona com os humanos. Não faltam qualidades e virtudes às abelhas, mas não são aplicáveis ao nosso mundo e aos nossos problemas. A alegoria não funciona justamente porque as abelhas insistem em permanecer somente abelhas. O poder do poema é justamente esse: ele recontextualiza os problemas e vulnerabilidades humanas, mas sem nunca oferecer soluções apiárias.

(Referência: William Batstone, em “Virgilian didaxis: value and meaning in the Georgics“)

* * *

Aristeu e Orfeu

Depois, temos um mini épico, onde o apicultor Aristeu deseja saber porque suas abelhas morreram e trazê-las de volta. Para isso, captura o deus Proteu, que lhe revela o segredo. Aristeu tentara estuprar Eurídice. Ao fugir dele, ela tinha sido picada por uma cobra e morrera. Orfeu, seu marido, cantor e poeta, desceu ao inferno para resgatá-la, mas, quando estavam quase saindo, ele desobedeceu o deus, olhou para trás para ver se ela estava vindo e a perdeu para sempre. Desgraçado, ele passou sete meses vagando e chorando, cantando e poetizando seu luto, até ser destroçado vivo por bacantes. (Sua cabeça e sua voz sobrevivem ao desmembramento e ele continua cantando eternamente.) É ele, Orfeu, que amaldiçoou Aristeu. O apicultor recupera suas abelhas através de um ritual de geração espontânea (segundo o poema, as abelhas não nasceriam sexualmente) e a narrativa se encerra nesse final feliz. (Feliz para o quase estuprador, naturalmente, não para o casal cuja morte ele causou!)

O que essas duplas narrativas, enfiadas uma dentro da outra como bonecas russas, estão fazendo no fim desse poema tão instável sobre a dureza da vida e as incertezas do destino?

Os dois personagens têm muito em comum: são passionais, autocentrados, destrutivos. Contribuem para destruir Eurídice e nenhum sente culpa. Se Aristeu é autoindulgente, a olhadela para trás de Orfeu (que destroi Euridice) também é. Ambos querem dominar a natureza e a morte. Só um tem sucesso.

Por que Orfeu fracassa? Ele era um poeta e um marido fiel, desceu aos infernos para resgatar a esposa, e acabou não só perdendo-a, novamente, como sendo despedaçado vivo. Por que Aristeu triunfa? Ele era um quase estuprador que fez somente chorar suas abelhas para a mãe. Suas ações, de fato, causam as mortes de Orfeu e de Eurídice, e ele termina o poema feliz com suas abelhas recuperadas.

Orfeu fundamentalmente é punido por olhar pra trás, por não saber esperar, por desobedecer. Já Aristeu segue todas as instruções e consegue o que estava buscando. Será isso? O poema premia a obediência? Ou a paciência? Que sem paciência não se conseguirá extrair da natureza seus frutos? Ou será que a questão é sexual? Aristeu perde suas abelhas por não conseguir controlar sua sexualidade e as recupera em um ritual assexual?

Será Aristeu o protótipo do agricultor prático (então, por que o crime sexual?) enquanto Orfeu, morto mas cantando para sempre, protótipo do poeta, que adquire a imortalidade pelo seu canto?

(Referência: William Batstone, em “Virgilian didaxis: value and meaning in the Georgics“)

* * *

Não-conclusões

Na verdade, as abelhas do livro 4 são tão insuficientes para trazer luz à nossa realidade humana quanto o mundo do trabalho do livro 1, as rapsódias vegetais do livro 2, os animais do livro 3. Terminamos o poema com dois heróis ao mesmo tempo grandiosos e autoindulgentes, reclamões e chorões, como se simbolizando (ou não!) que tudo aquilo que nos faz grandes também é o que nos destruirá.

Talvez o tema do poema seja simplesmente sua própria instabilidade, sua própria narrativa onde realidades conflitantes podem coexistir e coabitar. O tempo todo o poema nos apresenta a natureza, o trabalho no campo, a realidade, como coisas sobre as quais controlamos e exercemos nosso poder, mas também como coisas que nos controlam e nos dominam.

De qualquer modo, me deixou fascinado e instigado, pela beleza de suas descrições naturais e pelas múltiplas possibilidades interpretativas.

* * *

Edições & traduções

Em catálogo no Brasil, temos somente a tradução de Odorico Mendes, feita no século XIX. Em geral, não recomendo o Odorico, seu estilo é macarrônico demais para ser lido com prazer hoje. Existe uma tradução portuguesa da editora Cotovia, mas não conheço.

Eu li nas traduções de C. Day Lewis (1940), e Janet Lembke (2005): recomendo ambas. Acompanhei com o áudiolivro da tradução de Smith Palmer Bovie (1956), narrada por Charlton Griffin.

* * *

Esse texto faz parte dos guias de leitura para a terceira aula, Romanos, do meu curso Introdução à Grande Conversa: um passeio pela história do ocidente através da literatura. Esses guias são escritos especialmente para as pessoas alunas, para responder suas dúvidas e ajudar em suas leituras. Entretanto, como acredito que o conhecimento deve ser sempre aberto e que esses textos podem ajudar outras pessoas, também faço questão de também publicá-los aqui no site. Todos os guias de leitura das aulas estão aqui. O curso começou no dia 2 de julho de 2020 — quem se inscrever depois dessa data terá acesso aos vídeos das aulas anteriores.

* * *

As geórgicas, de Virgílio é um texto no site do Alex Castro, publicado no dia 21 de agosto de 2020, disponível na URL: alexcastro.com.br/georgicas-virgilio // Sempre quero saber a opinião de vocês: para falar comigo, deixe um comentário, me escreva ou responda esse email. // Se gostou, repasse para as pessoas amigas ou me siga nas redes sociais: Newsletter, Instagram, Facebook, Twitter, Goodreads. // Todos os links de livros levam para a Amazon Brasil. Clicando aqui e comprando lá, você apoia meu trabalho e me ajuda a escrever futuros textos. // Tudo o que produzo é sempre graças à generosidade das pessoas mecenas. Se gostou, considere contribuir: alexcastro.com.br/mecenato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.