gelosias e grades | alex castro

gelosias e grades

A arquitetura mourisca de Alhambra e a arquitetura norte-americana da Barra da Tijuca têm mais em comum do que se pode imaginar: as gelosias proibidas de ontem são as grades disseminadas de hoje.

* * *

Um dos primeiros editais do Intendente Geral da (recém-criada) Polícia do Rio de Janeiro foi proibir as rótulas e gelosias nos sobrados da cidade (11 de junho de 1809). Para Joaquim Manoel de Macedo, escrevendo suas “Memórias da Rua do Ouvidor” em 1878, gelosias e rótulas eram costume “quase bárbaro, de raiz mourisca”, e ele lamenta que muitas casas tenham “resistido à reforma decretada pela civilização”.

gelosia

Herança da arquitetura árabe que se popularizou na Península Ibérica, gelosias e rótulas eram painéis formados por treliças de madeira para vedar vãos de janelas, muitas vezes convertendo-se em verdadeiras gaiolas, fechadas de madeira por todos os lados, cujo objetivo confesso era aprisionar ou proteger (depende de quem conta) as mulheres da casa. Além de permitirem a passagem de ar fresco, também possibilitavam que as pobres mulheres encarceradas (mas honradas) observassem a rua sem serem observadas pelos de fora.

Com o tempo, as gelosias popularizaram-se tanto na cultura e na língua que passaram a designar o próprio ciúmes: “gelosia”, em italiano, “jalousie” em francês e “jealousy” em inglês, entre outras. Uma novela como “El Celoso Extremeño”, de Cervantes, sobre um homem ciumento obcecado em impedir sua mulher de traí-lo a todo custo, é excelente retrato da cultura que popularizou as gelosias. Enquanto isso, no Brasil Colônia, era comum visitantes estrangeiros se queixarem de nunca ver mulheres brancas, eternamente escondidas atrás de suas rótulas e gelosias, saindo apenas para as missas dominicais, e mesmo assim protegidas por véus e mantilhas.

 

Por isso, para os cariocas de 1809, empolgados com o sopro europeizante e modernizador trazido pela corte de D.João VI, gelosias e rótulas eram um símbolo concreto de tudo o que havia de mais retrógrado e bárbaro na cultura ibérica. O decreto de 1809, ao suprimir um elemento arquitetônico que fazia de cada casa uma fortaleza e uma prisão, era uma tentativa estatal de promover o espaço público em detrimento do privado. Macedo, setenta anos depois mas ainda herdeiro dessa mesma tradição, comemora:

“As rótulas e gelosias não eram cadeias confessas, positivas, mas eram pelo aspecto e pelo seu destino grandes gaiolas, onde os pais e maridos zelavam sonegadas à sociedade as filhas e as esposas. A higiene, a arquitetura, o embelezamento da cidade exigiam a destruição das malignas e feias gaiolas. E a Rua do Ouvidor devia ser pronta, como foi, em dar cumprimento ao edital de Paulo Fernandes, porque rótulas e gelosias destinadas a esconder à força o belo sexo deviam ser imediatamente banidas da rua que não tarde tinha de tornar-se por excelência de exposição diária de elegantes e honestíssimas senhoras.”

gelosias 2

Duzentos anos depois, a cidade parece caminhar na direção oposta. Casas e condomínios se cercam de grades, essas modernas gelosias, buscando tornar-se como as antigas fortalezas auto-suficientes.

Teoricamente, um condomínio pode escolher designar suas ruas internas de públicas ou privativas: no segundo caso, abre-se mão de uma série de serviços públicos (entrega de correios, coleta de lixo, transporte coletivo, etc) em troca do direito de só permitir a entrada ou passagem de quem se quer. Caso decida que suas ruas internas são públicas, o condomínio pode desfrutar desses serviços também públicos mas, em contrapartida, não podem negar entrada ou passagem a ninguém. Afinal, a rua é pública.

Entretanto, cada vez mais condomínios tentam malandramente conseguir o melhor dos dois mundos: apesar de suas ruas internas serem públicas, ainda assim colocam uma cancela e seguranças armados na porta. Abaixo, o Condomínio Península, onde mora meu pai.

cancela barra rio de janeiro
(Foto de Arthur Jacob, publicada na Coluna do Ancelmo Góis, O Globo, 11 de dezembro de 2007)

A menos de cinco minutos dali, na Cidade de Deus, no dia 19 de junho de 2006, moradores revoltados bloquearam a Estrada do Gabinal, colocando fogo em pneus, madeiras e até mesmo em um ônibus para protestar mais um inocente morto sumariamente pela polícia, em uma operação que também deixou baleada uma criança de oito anos. Foram violentamente reprimidos (felizmente, sem perda de vidas) e logo aprenderam a lição: os ricos da Barra podem bloquear uma via pública na maior cara-de-pau; eles, não. Eu, que morava na mesma Estrada do Gabinal, tive que dormir em casa de amigos nessa noite.

Os últimos anos viram cada vez mais prédios, praças e espaços públicos de modo geral sendo cercados e gradeados no Rio de Janeiro. O espaço público tendo se tornado cada vez mais assustador, é necessário proteger o espaço privado a todo custo. No final da mesma Rua do Ouvidor historiada por Joaquim Manoel de Macedo, essa rua de sobrados coloniais de gelosias mouriscas e rótulas bárbaras, mais um prédio foi cercado e gradeado, protegido do assustador espaço público.

ifcs_plenaria do Fórum de Lutas Contra o Aumento da Passagem 25 de junho de 2013 ifcs 1940 ifcs 1922 ifcs 1850
Quatro momentos de um prédio: 2013, durante as jornadas de junho; cerca de 1940; 1922, sediando a Exposição Nacional; e cerca de 1850.

O prédio do atual Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ (IFCS), no Largo de São Francisco, começou a ser construído em 1811 (dois anos depois do decreto que extinguiu as gelosias), para servir de sede à Academia Real Militar. É considerado como o primeiro prédio no Brasil a ser construído especificamente para uma instituição de ensino. Ao longo dos séculos seguintes, foi o principal centro brasileiro de formação de engenheiros, abrigando, entre outros, a famosa Escola Politécnica e a Escola Nacional de Engenharia da Universidade do Brasil. Em 1965, com a criação da UFRJ, a Engenharia foi relocada para o Fundão e os cursos mais comunistas e criadores de caso foram colocados ali, para evitar que contaminassem o resto da universidade: História, Filosofia, Ciências Sociais. (fonte)

Finalmente, em 2008, quase 200 anos depois do edital do Intendente de Polícia proibindo gelosias e rótulas, o pêndulo já encontra-se no outro extremo. O prédio do IFCS, público há 200 anos, agora encontra-se protegido por grades: os alunos lá dentro, nossos futuros sociólogos e cientistas políticas, podem olhar a realidade carioca, inclusive os mendigos do Largo de São Francisco, através de confortáveis e seguras grades. Se fossem gelosias, talvez fosse ainda mais prático: os mendigos nem teriam como enxergá-los de volta.

Duas reportagens para o site G1, de Alba Valéria Mendonça e Vivianne Banharo, narram o conturbado processo de gradeamento do IFCS:

Segundo a direção administrativa do IFCS, o projeto de instalação das grades de proteção é da prefeitura da UFRJ. O objetivo, como informou a direção, é garantir a segurança dos alunos – principalmente, dos cursos noturnos – e do patrimônio. Segundo a direção, não há informações sobre alunos assaltados, mas carros que estacionam na frente do prédio já foram arrombados.

Aparentemente, o grande problema seria a grande população de moradores de rua do Largo de São Francisco, que estaria deixando as escadarias do prédio imundas:

Aluna do 7º período de filosofia, Helena Ribeiro, de 37 anos, conta que todos os dias pela manhã o funcionário da limpeza do IFCS é obrigado a lavar a escadaria com desinfetante. Às vezes os moradores de rua ainda estão dormindo na frente do prédio. “Eles sempre deixam muita sujeira por aqui e fica um fedor insuportável.” … “Sinceramente, sou a favor. Isso aqui fica uma imundície. Não resolve o problema maior que é a mendicância. Mas tem dias que é difícil entrar na faculdade. Ficam umas 15 pessoas deitadas por aqui”, disse Gabriel … “As escadarias dos prédios viraram residência da mendicância”, comentou o prefeito, relacionando a presença de moradores de rua com banhos, despejo de lixo e necessidades fisiológicas.

Fui aluno do curso noturno de História do IFCS entre 1996 e 1999. Quando chegava para as aulas, por volta de seis da tarde, os mendigos já estavam se recolhendo. Durante o inverno, quando escurecia cedo, colocavam um agasalho na estátua de José Bonifácio, no centro da praça. Quando acabavam as aulas, às dez da noite, era raro haver mendigos acordados: já dormiam profundamente.

Naturalmente, vários alunos se manifestaram contra as grades:

“Isso aqui é um espaço público e a colocação de grades é uma questão pública. A faculdade em vez de se abrir está se fechando para o povo e não deveria ser essa a nossa filosofia. Não é cercando com grades que vamos resolver o problema do apartheid social que vivemos. As grandes não vão nos impedir de ver o que está aí, do outro lado da calçada”, disse Filipe, afirmando que vai ficar constrangido de ter de atravessar todos os dias um portão com o símbolo da UFRJ, como se quisesse deixar a realidade para trás. … “Vai causar um clima diferente, com mais privacidade. O IFCS vai ficar num clima de campus, não mais tão integrado à cidade. As grades me incomodam mais pelo fato de não sobrar espaço na calçada para as pessoas circularem.”

Se o prédio do Largo de São Francisco fosse ainda Escola de Engenharia, a situação não seria tão irônica. Um centro de excelência criado explicitamente para segregar os cursos mais politicamente subversivos e socialmente incômodos da primeira universidade do nosso país, dirigido por algumas das melhores mentes acadêmicas nos campos de história, política, antropologia, sociologia, filosofia, e a melhor solução que encontrou-se para o excesso de mendigos no centro do Rio de Janeiro foi… construir grades!

Em menos de duzentos anos, o Rio de Janeiro que buscava estimular o espaço público ao proibir gelosias e construir passeios públicos transformou-se no Rio de Janeiro que bloqueia ruas públicas com cancelas e erige grades de metal para proteger prédios públicos da população de rua.

* * *

Termino de escrever um texto como esse e percebo cada vez mais a relação concreta que tenho com minha cidade. Uma discussão por alto sobre espaço público e privado acaba passando pelo condomínio onde mora meu pai ou pela favela da estrada onde moro, e também pela Rua do Ouvidor, por onde tanto andei, que desemboca no prédio onde estudei tantos anos. Essa cidade é minha porque é impossível falar sobre ela e sua história sem também falar de mim e da minha história: sou herdeiro das pedras portuguesas de Copacabana e do bondinho de Santa Teresa, das lagoas da Barra da Tijuca e das cotias do Campo de Santana, assim como também sou herdeiro da porcaria pelo chão e dos engarrafamentos pelas ruas, das chacinas e do caos. O bom e o mau, o lindo e o podre, é tudo meu. Os mesmos antepassados que me legaram a Floresta da Tijuca e o largo do Boticário também deixaram outras tantas bombas pra explodir na minha mão. Como cidadão carioca, aceito tudo.

Daqui a pouco, nos comentários, vai me aparecer um idiota criticando meu pretenso “orgulho pelo Rio” e dizendo que o Rio é uma cidade suja e violenta, e um outro idiota vai responder que não, que o Rio é a cidade mais linda do mundo, mas não estou falando nem de orgulho, nem de vergonha: meu sentimento é muito mais primal e concreto. Certo ou errado, bonito ou feio, esse chão é meu.

O mundo é cheio de problemas: assisto Juno e fico comovido com toda a questão da gravidez infantil, aborto e adoção, mas assisto Tropa de Elite e o filme ME aponta um dedo direto na cara: esse é o problema da minha época, da minha terra, da minha geração. Na loteria da História, foi essa batata quente que me coube. O bônus é meu, o ônus também.

§ 7 respostas para gelosias e grades

  • alex castro disse:

    andré, eu fui criado na barra da tijuca, junto com o paes, e me lembro dele antes de ser político. acho que ele pode surpreender positivamente, e vem me surpreendendo, aliás.

  • André disse:

    Oi Alex, excelente texto!
    Além de muitos trabalhos na Geografia e na Arquitetura que vem denunciando isso, destaco uma, do geógrafo Lucas Melgaço, que estudou especificamente essas formas que ele chama de “arquiteturas anti-indesejáveis” – a tese, repleta de fotos e com um trabalho gráfico nada enfadonho, está aqui: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8136/tde-04022011-105832/pt-br.php.
    Fiquei surpreso de ver o Paes retirar grades, já que a lógica do “Choque de Ordem” não tem sido, me parece, promover a convivência no espaço público…
    Abs

  • Thiago disse:

    Obrigado, Alex.

  • […] A prefeitura do Rio de Janeiro acabou de inaugurar a reforma da Praça Tiradentes no Centro. A nova versão, para desagrado de muitos cidadãos de bem, não tem mais grades – “o horror! o horror!”. Enquanto isso, a Prefeitura já sinalizou uma disposição de tirar as grades de todas as praças da cidade cujo projeto original não as incluía. (Na década de noventa, grande parte das praças da cidade foram sendo progressivamente gradeadas). […]

  • […] A prefeitura do Rio de Janeiro acabou de inaugurar a reforma da Praça Tiradentes no Centro. A nova versão, para desagrado de muitos cidadãos de bem, não tem mais grades – “o horror! o horror!”. Enquanto isso, a Prefeitura já sinalizou uma disposição de tirar as grades de todas as praças da cidade cujo projeto original não as incluía. (Na década de noventa, grande parte das praças da cidade foram sendo progressivamente gradeadas). […]

  • Sérgio disse:

    Oi, Alex, bem-vindo de volta à sua terrinha, que é onde eu também nasci, embora viva no planalto central desde quase sempre. Sempre que vou aí tenho insights do que significa para mim ter o Rio como terra natal, esse lugar tão lindo, assustador, terrível e acolhedor.
    Parabéns não só pelo texto bonito mas também pelos dados históricos interessantíssimos.
    Sou um seguidor de algum tempo do LLL. Gosto do que vc escreve e de como escreve.
    Abraço.

  • Dario disse:

    Sinto o mesmo por São Paulo, nem perfeito nem horrível.
    Apenas me identifico com a cidade e quero o sempre o melhor para ela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.