a autobiografia do poeta-escravo

Juan Francisco Manzano, poeta na ilha de Cuba, foi a única pessoa escravizada latino-americana a escrever uma autobiografia sobre sua experiência no cativeiro.

manzano ediciones matanzas capa

Autobiografía, de Juan Francisco Manzano. Edição, introdução e notas de Alex Castro. (Ediciones Matanzas, Cuba, 2016.) R$200, com direito a dedicatória & marcadores exclusivos. Só 40 exemplares.



A edição cubana da Autobiografia do Poeta-Escravo não será comercializada no Brasil e tenho apenas 40 examplares. Por isso, estou vendendo mais caro, só para pessoas leitoras que queiram a satisfação fetichista de possuir um objeto-livro raro e exclusivo. Se você quer só ler o conteúdo do livro, está aqui. A compra dá direito a uma dedicatória exclusiva e individual, marcadores de página também exclusivos e, mais importante, a satisfação de estar ajudando diretamente o autor dos textos que você curte. 

* * *

manzano hedra capa

A autobiografia do poeta-escravo, de Juan Francisco Manzano. Edição, tradução, introdução e notas de Alex Castro. (Editora Hedra, 2015.)

Compre no site da editora Hedra, da Livraria Cultura, da Livraria da Travessa, da Amazon.

* * *

A autobiografia de Juan Francisco Manzano

“Em 1835, sob encomenda de um grupo de literatos, o poeta cubano Juan Francisco Manzano redigiu um testemunho de suas experiências enquanto escravo, um empreendimento repleto de dificuldades práticas e políticas. O quanto falar? O quanto silenciar? O quanto aqueles homens brancos e ricos, aparentemente tão tolerantes, eram capazes de ouvir e aceitar? Como denunciar a escravidão sem ofender seus patronos escravocratas? Após consideráveis revisões e reescrituras, o manuscrito foi traduzido para o inglês e publicado por abolicionistas em Londres.

A autobiografia do poeta-escravo é pela primeira vez publicada no Brasil, um dos países que mais tarde aboliu o horror narrado com tamanha vivacidade por estas páginas. É diante de tal delicadeza histórica que o tradutor e organizador Alex Castro nos apresenta o resultado de uma tarefa também árdua, a de transladar o texto de Manzano mantendo seu vigor e respeitando suas idiossincrasias, marcas tão reais e concretas como lanhos de chicote na carne do escravo. O livro inclui duas versões da Autobiografia, uma tradução para a norma culta do português e uma transcriação criativa, acompanhadas por mais de 300 notas explicativas e um conjunto de textos que torna a presente edição um marco na memória da escravidão e da luta pela liberdade.”

Da orelha da edição brasileira, publicada pela Editora Hedra em 2015.

O livro também foi publicado em Cuba, pela primeira vez em quarenta anos, em edição fac-símile da Ediciones Matanzas, com minha introdução e notas.

Para saber mais, confira o site dedicado ao autor, Juan Francisco Manzano.

* * *

Trechos

Tradução à norma culta do português:

Uma tarde, saímos ao jardim e, durante muito tempo, fiquei ajudando minha ama a colher flores ou transplantar alguns matinhos como passatempo, enquanto o jardineiro andava por toda a largura do jardim, cumprindo sua obrigação. Ao nos retirarmos, sem consciência realmente do que fazia, peguei uma folhinha, uma folhinha qualquer de botão de gerânio. Essa malva extremamente cheirosa ia em minha mão, junto com sei lá mais o que eu levava. Distraído com meus versos de memória, seguia minha sinhá à distância de dois ou três passos e caminhava tão alheio a tudo que ia despedaçando a folha, do que resultava maior fragrância. Ao entrar em uma antessala, não sei com que motivo minha sinhá retrocedeu. Eu lhe dei passagem mas, ao passar por mim, lhe chamou atenção o cheiro. Imediatamente colérica, com uma voz fortíssima e alterada, me perguntou:

“O que tens nas mãos?”

Fiquei morto. Meu corpo gelou-se em um instante e, sem poder quase ficar de pé pelo tremor que me deu em ambas as pernas, deixei cair a porção de pedacinhos no chão.

Ela me tomou as mãos e as cheirou. Pegando os pedacinhos, eles pareciam um montão, um matagal, um atrevimento.

Quebraram meu nariz.

* * *

Transcriação:

huma tarde sahimos ao jardim durante muinto tempo fiquei ajudando minha ama á colher flores ou transplantar alguns matinhos como pasatempo enquanto o jardineiro andava pr. toda a largura do jardim cumprindo sua obrigaçaõ ao nos retirarmos sem consiensia realmente do qe. fazia peguei huma folhinha, huma folhinha coalquer de botaõ de geranio esta malva estremamente odoroza ia em minha maõ junto com sei la mais o que eu levava distraido com meus versos de memoria seguia minha sinhá á distansia de dois ou trez pasos e caminhava taõ alheio á tudo qe. ia dispedaçando a folha do qe. rezultava maior fragansia ao entrar numa antesala naõ sei com qe. motivo a sinhá retrocedeu, le dei pasagem mas ao pasar por mim le chamou atensaõ o cheiro imediatamente colerica com huma voz fortisima e alterada me perguntou qe. tens nas maõs; eu fiquei morto meu corpo gelou-se num instante e sem poder quasi sustentar-me pelo tremor qe. me deu em ambas pernas, deixei cahir a porsaõ de pedaçinhos no chaõ me tomou as maõs e as cheirou e pegando os pedaçinhos paresiaõ hum montaõ hum matagal e hum atrevimento de nota quebraraõ meu nariz

* * *

Original em espanhol:

una tarde salimos al jardin largo tiempo alludaba a mi ama a cojer flores o trasplantar algunas maticas como engenero de diversion inter el jardinero andaba pr. todo lo ancho del jardin cumpliendo su obligasion al retirarnos sin saber materialmente lo qe. asia cojí una ojita, una ojita no mas de geranio donato esta malva sumamente olorosa iva en mi mano mas ni yo sabia lo qe. llebaba distraido con mis versos de memoria seguia a mi señora a distansia de dos o tres pasos e iva tan ageno de mi qe. iva asiendo añiscos la oja de lo qe. resultaba mallor fragansia al entrar en una ante sala nosé con qe. motivo retrosedió, ise paso pero al enfrentar conmigo llamole la atension el olor colerica de proto con una voz vivisima y alterada me preguntó qe. traes en las manos; yo me quedé muerto mi cuerpo se eló de improviso y sin poder apenas tenerme del temblor qe. me dió en ambas piernas, dejé caer la porsión de pedasitos en el suelo tomóseme las manos se me olio y tomandose los pedasitos fue un monton una mata y un atrevimiento de marca mis narises se rompieron

* * *

As capas, abertas

(Clique para ver em tamanho maior.)

manzano capa hedra 2a versao

Autobiografía Manzano, cubierta

* * *

O manuscrito

A primeira página do manuscrito original, na caligrafia de Manzano, disponível na Biblioteca Nacional José Martí, em Havana:
(Clique para ver em tamanho maior.)

2

A edição cubana será fac-símile e vai contar com fotos de todas as páginas do manuscrito.

* * *

As fotos

Em abril de 2014, a fotógrafa Claudia Regina e eu estivemos em Cuba para buscar os vestígios da passagem do poeta-escravo pela ilha. Ambas as edições cubana e brasileira serão ilustradas com as belíssimas fotos da Claudia Regina.

Ruínas da antiga casa-grande do Engenho Los Molinos, em Matanzas 7

Ruínas da antiga casa-grande do Engenho Los Molinos, em Matanzas 3

Ruínas da antiga casa-grande do Engenho Los Molinos, em Matanzas 7

Ruínas da antiga casa-grande do Engenho Los Molinos, em Matanzas 7

* * *

Em Cuba

manzano ediciones matanzas capa

Autobiografía, de Juan Francisco Manzano. Edição, introdução e notas de Alex Castro. (Ediciones Matanzas, Cuba, 2016.) R$200, com direito a dedicatória & marcadores exclusivos. Só 40 exemplares.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.