seres inexistentes

se tudo acaba, se até mesmo o sol vai acabar, por que seria justamente eu a não acabar nunca?

por que eu seria tão importante assim?

aliás, por que a questão da minha existência seria minimamente importante?

por que eu deixar de existir é mais ou menos dramático do que um coelho deixar de existir?

passei a existir no momento no tempo que convencionamos chamar de 1974 mas, antes disso, eu não-existi por um período literalmente infinito.

e não foi ruim. não doeu. não foi desagradável.

muito em breve, voltarei a não-existir por um período infinito de tempo.

se não era ruim antes, por que seria ruim depois?

por que ter medo de voltar a um estado que já experimentei e que não foi ruim?

considerando o tempo que passamos existindo e o tempo que passamos não-existindo, nosso estado natural é a não-existência.

existir seria apenas um breve soluço, um glitch, um bug, dentro de uma perfeita, plena e eterna condição de não-existir.

somos todos seres inexistentes que, por um acaso, existem.

mas não por muito tempo.

* * *

meus melhores textos sobre morte e entropia

o principal:

prisão religião

* * *

leia também:

só tecido morto não dói
a certeza da incerteza
o vazio que nos consome
como des-mexer um ovo mexido
a entropia e o tempo
um café na beira da estrada
eu, que vou morrer, os saúdo, que também vão morrer
as cortinas azuis
causa mortis: incompetência
o portarretratos sem retratos

* * *

e não deixe de ler os textos sobre zen.

§ uma resposta para seres inexistentes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.