olha-me, e olha-te bem

epitáfio de gil vicente, um dos grandes escritores da nossa língua, reinventor do teatro:

sepultura gil vicente

O grão juízo esperando,
jazo aqui, nesta morada
também da vida cansada,
descansando.

Pergunta-me quem fui eu,
atenta bem para mi,
porque tal fui, como a ti,
e tal hás de ser como eu.

E pois, tudo a isto vem,
ó leitor de meu conselho
toma-me por teu espelho,
olha-me, e olha-te bem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

What's this?

You are currently reading olha-me, e olha-te bem at alex castro.

meta