O amor é político

Depois de muitas andanças, escolhi transitar entre pessoas, inteligentes e politizadas, para quem o amor é uma prioridade política, um gesto transformador, uma atitude revolucionária.

* * *

Durante uma década, enquanto cursava mestrado e doutorado em literatura, todas as pessoas a minha volta eram muito inteligentes e politizadas, liam Foucault e Derrida, organizavam protestos e ansiavam por mudança.

Esse era o meu mundo.

Mais tarde, abandonei o doutorado, voltei ao Brasil, comecei a praticar Zen.

* * *

A palavra religião vem do latim religare: pouco a pouco, a rotina do templo foi me reconectando à vida religiosa, a um linguajar religioso, a um modo religioso de pensar a vida, a sociedade, a política.

Em 2017, 60% das minhas leituras foram religiosas: o livro do ano foi a Noite escura, de João da Cruz, sobre as dificuldades espirituais no caminho cristão mas também, com pequenas mudanças, sobre o meu próprio caminho religioso no Zen.

Recuperei assim um contato antes perdido com o catolicismo, desde jesuítas e agostinianos até os grandes místicos cristãos, como os padres do deserto e Bernardo de Claraval, todas pessoas que também articulam o amor enquanto ação política.

Atualmente, as pessoas autoras que moldam meu pensamento são mais religiosas do que laicas, como Simone Weil e Agostinho de Hipona, Abraham Heschel e Franz Hinkelammert, David R. Loy e James R. Martin, Inácio de Loiola e Shantideva.

Aqui na minha mesinha de cabeceira, sendo lidos agora, estão Eu via Satanás cair como um relâmpago (1999), de René Girard, sobre violência simbólica nas religiões antigas, e o recém-lançado Elogio da sede (2018), do padre português José Tolentino de Mendonça, com as meditações que ele propôs ao Papa no Retiro de Quaresma desse ano.

* * *

Para as pessoas de meu velho mundo acadêmico, o amor não era um tema válido, uma preocupação séria, uma prioridade política: pelo contrário, falar de amor era uma besteira, um capricho, uma bobagem. O amor, quando mencionado, era sempre amor romântico, amor alienado, amor cooptado:

“Crianças, crianças! Aqui, estamos falando de coisa séria, de mais-valia e de semiótica, de rizoma e de apropriação. Vão falar de amor lá fora, vão.”

Hoje, por outro lado, pratico e trabalho em um templo zen de Copacabana chamado Templo do Cuidado Amoroso Eterno, afiliado à Ordem dos Pacificadores Zen, ambas instituições atuantes no movimento do Budismo Engajado.

No templo ou na ordem, entre monges e ordenados, quando sentamos para resolver problemas e decidir questões, nossa preocupação é cuidar amorosamente umas das outras e de nossa comunidade.

* * *

Quanto mais leio e quanto mais reflito, quanto mais luto e quanto mais envelheço, mais percebo que falar de luta política e de mudança social sem falar de amor e de cuidado é inócuo, é vazio, é inconsequente.

Da mesma maneira, falar de amor e de cuidado sem falar de luta política e de mudança social é pior que inócuo: é reacionário, é conservador, é conformista.

Por isso, depois de muito pensar, apesar de toda minha simpatia pelo partido, não me filiei ao PSOL e sim me ordenei Irmão em uma ordem zen.

Depois de muitas andanças, escolhi transitar entre pessoas, inteligentes e politizadas, para quem o amor é uma prioridade política, um gesto transformador, uma atitude revolucionária.

Esse hoje é o meu mundo.

* * *

Todos os dias, ao meio-dia, faço os seguintes votos:

Os três votos da Ordem dos Pacificadores Zen

1. Praticar o não-saber, abrindo mão de certezas prévias.
2. Testemunhar a alegria e o sofrimento, não virando o rosto à dor alheia.
3. Agir amorosamente, de acordo com essas duas posturas.

Os quatro votos do Bodisatva

1. As criações são inumeráveis, faço o voto de libertá-las.
2. As ilusões são inexauríveis, faço o voto de transformá-las.
3. A realidade é ilimitada, faço o voto de percebê-la.
4. O caminho do despertar é insuperável, faço o voto de corporificá-lo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.