“alex, como faço para ser uma pessoa melhor?”

31 May, 2011

Muitos leitores admiram o meu “jeito de ser” – ou o jeito que digo que sou. Me escrevem dizendo que tentam ser menos mesquinhos, ciumentos, invejosos, e que é uma luta muito difícil. E me perguntam onde melhorar, o que fazer, como agir!

Eis algumas perguntas que me fazem:

eu quero passar por cima de toda a inveja que sinto de pessoas que conseguem o que eu não consigo. eu sempre acho que tou pra baixo, que sou menos… a partir de agora, vou aprender a sonhar meus próprios sonhos… obrigada.

Não consigo me desapegar da opinião dos outros com leveza. Se eu ficar nervoso consigo me desligar, mas aí não adianta. Só piora. Isso está me deixando louco. Fico com dor de cabeça. Alguma ideia de como fazer isso numa boa?

O que mais me irrita hoje é minha dificuldade de viver o momento, de vive-lo com leveza, bom humor, e de cagar pra opinião dos outros. Isso me deixa fisicamente doente, as vezes. Alguma idéia de como resolver isso?

O que fazer com os preconceitos que tenho e detesto, mas não consigo evitar?

E eu, que não escrevo livro de auto-ajuda, não sou guru e não tenho nenhuma resposta, conto a seguinte historinha.

* * *

Moro com dois roommates. Faz algum tempo, comprei uma caneca térmica transparente na loja da Tabasco – pra quem não sabe, Tabasco é uma marca aqui da Louisiana. Adoro minha caneca da Tabasco. Só bebo café nela.

De uns tempos pra cá, começou a sumir. Fui procurar e descobri que um dos roommates estava usando.

Me irrita bastante querer usar minha caneca e não poder. Afinal, não foi pra isso que eu a comprei? Para poder utilizá-la?

Toda vez que procuro minha caneca e não encontro, fico puto. Fico puto de verdade. Faço diálogos mentais de marchar quarto adentro do meu roommate e dizer coisas como:

“Olha só, vamos fazer um trato? Sim, todo mundo pode usar tudo de todo mundo, mas vamos combinar que cada um tenta usar prioritariamente as SUAS coisas e, se não estiverem disponíveis, as dos outros, ok?”

Com certeza, grande parte dos leitores concorda com minha irritação.

* * *

Pena que ela está errada. É babaca, pequena, mesquinha, egoísta.

O roommate não sabe que a caneca é minha, que eu me irrito que ele a use, que eu só bebo café nela: ele só sabe que não foi ele que comprou mas que ela está no armário junto com outras dez canecas que ele também não comprou. Como ela só some de vez em quando, ele não a usa sempre: deve simplesmente pegar a primeira que aparece e pronto.

Não, eu não uso nada dele. Teoricamente, os objetos de cozinha são de uso comum (facas, panelas, tupperware, canecas, etc), mas eu já tenho as minhas próprias coisas, não preciso usar as de ninguém.

Meu roommate é uma pessoa ótima, linda, aberta, carinhosa, generosa. Um cara realmente desapegado. Trabalhava em uma financeira, num emprego pacato e seguro, largou tudo pra ir fazer escola de culinária, e depois, veio pra Nova Orleans trabalhar no melhor restaurante da cidade, trazendo apenas a bagagem que cabia no seu carro. Ele usa minha caneca porque nem tem a dele.

Imagino que não haveria nenhum problema em falar sobre isso. Tenho certeza absoluta de que ele não teria nenhuma reclamação. Ele é americano, respeita a propriedade privada!

“Olha, sabe como é, eu gosto dessa caneca, só tomo café nela, de vez em quando eu procuro e não encontro, você poderia tentar usar as outras antes de usar essa? Na boa?”

Mas eu não vou falar nada. Porque o problema sou eu.

O problema não é meu roommate (gente boa pra caralho, que outro dia quase deu 50 dólares pra uma velha trambiqueira numa cadeira de rodas) abrir o armário e pegar a primeira caneca que vê pela frente. O problema sou eu ter qualquer tipo de apego a um objeto de plástico vagabundo, que custou 6,99 dólares mais taxes, sem qualquer valor intrínseco ou sentimental.

Eu não quero ser a pessoa que regula uma caneca. Eu não quero chegar pro meu roommate, com a mão das cadeiras e voz irritada, e pedir pra ele por favor não usar a MINHA caneca! Eu não quero aparecer no Passive-Agressive Notes, com um bilhetinho “vamos cada um usar suas próprias canecas?”

Eu não quero ser essa pessoa. Eu não sou essa pessoa. Eu não sou essa pessoa porque eu não quero ser essa pessoa. Eu não sou essa pessoa porque 99,99% de tudo o que acontece no universo (provavelmente mais) está fora do meu controle, mas eu pelo menos ainda tenho controle sobre algumas coisas: eu é que decido se eu vou ser a pessoa babaca e cri-cri que vai reclamar de estarem usando sua caneca.

Poucos conselhos são mais canalhas do que o clássico “seja você mesmo”. A maioria dos problemas do mundo veio de gente que estava simplesmente sendo si próprio. Mais importante do que “ser você mesmo” é ser quem você quer ser. Todas as forças do universo nos impelem a nos conformarmos, a aceitarmos as regras do mundo, a cedermos, nos moldarmos. Ser a pessoa que você quer ser é uma das tarefas mais difíceis do mundo. É uma luta diária, surda, interna, contra seus próprios preconceitos, suas mesquinharias, seus egoísmos.

Quer ser menos invejoso, menos ciumento, menos egoísta? Então, seja.

Ser quem você quer ser é o mínimo que deve a si mesmo. Se você não é nem isso, então você não é nada.

* * *

O texto continua em Você É o que Você Faz

§ 15 comentários para ““alex, como faço para ser uma pessoa melhor?””

  • Bruna says:

    Alex, adorei esse texto. É minha primeira visita ao seu site e de cara já dou com esse “tapa” na cara! Muito bacana mesmo! Parabéns. Já vou assinar pra receber as atualizações do seu site. Abraço!

  • Rafael says:

    Me lembrou um texto do Frederico Mattos, chamado “A princípio finja” . A ideia é parecida.

    http://www.sobreavida.com.br/2013/02/20/a-principio-finja/

  • [...] pouco tempo que o Alex Castro postou um texto em que ele conta a história da irritação dele com um roomate de Nova Orleans que teimava em usar uma caneca em que ele, Alex, gostava de tomar seu café. E conta como ESCOLHEU [...]

  • hahahahahaha Bom demais, Alex! Eu vivo me pegando em acessos e nervo e sendo mega cri-cri por causa dum diacho de uma “caneca de plástico” ou coisas menores ainda… hahahaha O massa é quando a gente dá conta de perceber isso, mudar o padrão e rir de nós mesmos depois, né? Viva o bom-humor e o poder do “foda-se” e do “let it go”!rs Valeu!

  • Todo o pensamento atual se move em “liberdade”, “expressão do ser” e tudo mais. A parte mais forte que absorvi do seu texto é justamente quando ele nada na maré contrária: crie quem você quer ser. Eu acredito, totalmente, que essa é a chave do satisfação pessoal. Porque, sabe, se fossemos olhar psicologicamente, todo mundo iria preferir uma vida em que tudo é fácil, colorido e com sexo livre. Agora, construir a pessoa que queremos nos tornar é difícil: é incômodo, leva tempo e muito esforço. Mas vale a pena.

    Li algo sobre isso no “Papo de Homem” e tomei como rumo das minhas decisões: crie a pessoa que você quer se tornar. O seu texto (e muitas outras coisas escritas pela Paula Abreu) reforçam isso. Obrigada pela ótima leitura matinal de hoje!

  • Martha Dias says:

    Adorei seu texto. A minha opinião é que você está certo em não pedir ao seu roommate que não use sua caneca como também estaria se resolvesse pedir. Porque o importante é se manter fiel a ação que melhor corresponde ao que você quer ser, e que neste caso é “alguém que não se importa que usem a sua caneca”. Abraço.

  • [...] de meus melhores textos são sobre isso: “alex, como faço para ser uma pessoa melhor?” & você é o que você [...]

  • Gabriel says:

    Belo texto. Mas se mudarmos o cenário? E se a caneca some quase todo dia?

  • [...] de meus melhores textos são sobre isso: “alex, como faço para ser uma pessoa melhor?” & você é o que você [...]

  • [...] textos que desenvolvem um pouco mais essas ideias: “Alex, como faço para ser uma pessoa melhor?” & Voce é o que você [...]

  • Chico says:

    Eu faria algo diferente, mas com motivação em parte semelhante: eu compraria mais uma ou duas canecas para deixar lá.

  • Henrique says:

    Interessante! Independentemente de religião, olha como tem fit com esse trecho: “Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.

    Pois pela graça que me foi dada digo a todos vocês: ninguém tenha de si mesmo um conceito mais elevado do que deve ter; mas, pelo contrário, tenha um conceito equilibrado, de acordo com a medida da fé que Deus lhe concedeu.” Romanos 12:2-4

    Abs!

  • [...] Janeiro: saio dessa casa para não mais voltar, e deixo esses e muitos outros objetos para trás. A caneca da Tabasco que eu não queria que o Nate usasse. O pendurador de bananas enviado, decorado e desenhado pela minha mãe – pois nessa terra não se [...]

  • Ulisses Crasso says:

    Excelente texto. Dá vontade de imprimir e deixar colado em um local bem visível.

    Dizem “O que vale é a intenção”, eu costumo dizer “intenção não vale nada, o agir é a única coisa que importa”.

  • [...] resposta ao texto do roommate e da caneca, sobre o roommate e a caneca, muitos amigos me disseram: “Alex, não adianta nada você ficar [...]

  • § comente

o que é isso?

você está lendo “alex, como faço para ser uma pessoa melhor?” no site do alex castro.

Rio de Janeiro & Nova Orleans